Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mais de 400 crianças morrem envenenadas na Nigéria

Elas foram contaminadas por chumbo, cobre e mercúrio, no trabalho em minas

“Uma intervenção urgente e coordenada é necessária para frear mais mortes”

Ao menos 400 crianças com menos de cinco anos morreram nos últimos meses na Nigéria em consequência do trabalho em minas de ouro. Ela teriam sido contaminadas por chumbo, cobre e mercúrio. Na semana passada, um grupo de analistas da ONU esteve no país africano, após o governo pedir ajuda ao detectar as mortes e o envenenamento de outras 18.000 pessoas.

O aumento de vítimas foi constatado com base nos dados de um relatório preliminar elaborado pela equipe de especialistas, de acordo com um anúncio foi feito em Genebra nesta terça-feira por Elisabeth Byrs, a porta-voz do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas (Ocha). Ela esclareceu que o número pode aumentar ainda mais, já que se baseia apenas nas primeiras investigações da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) – que colabora com o documento – e diz respeito apenas a crianças menores de cinco anos.

A porta-voz ainda acrescentou que grande parte da população não divulga informações, porque “tem medo de não poder continuar com as atividades”. O trabalho nas minas foi proibido na semana passada pelo governo nigeriano, logo após receber o levantamento.

Contaminação – Segundo os primeiros resultados da equipe de urgência que analisa os níveis de contaminação em cinco povoados diferentes, a água dos tanques está poluída e a concentração de mercúrio no ar é cem vezes superior ao estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS). “Uma intervenção urgente e coordenada é necessária para frear mais mortes”, advertiu Elisabeth.

O envenenamento por esses minerais pode provocar danos irreparáveis ao sistema nervoso nas crianças e resultar em deformações congênitas nos primeiros anos de vida. Esses efeitos nocivos exigem um tratamento que “a maior parte da população não pode custear”, salienta a porta-voz.

(Com agência EFE)