Maduro: Constituinte venezuelana será o poder ‘acima da lei’

A iniciativa de Maduro é rechaçada pela oposição, agravando os protestos contra o governante socialista

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, definiu neste domingo a polêmica Assembleia Constituinte como um “poder supremo” que poderá tomar decisões inclusive “acima da lei”.

“O que a Constituinte pode fazer? Tudo o que quiser. É o grande poder […] Pode emitir uma lei constitucional, acima da lei, estabelecendo regras de justiça firmes e de cumprimento obrigatório por todas as instituições, pela Procuradoria, pelos tribunais”, declarou o presidente durante o seu programa semanal na emissora estatal VTV.

A iniciativa de Maduro é rechaçada pela oposição, agravando os protestos contra o governante socialista, com confrontos que deixam 59 mortos em 58 dias, segundo o balanço da Procuradoria. Governo e oposição se culpam mutuamente pelos casos de violência.

Veja também

 

“É uma Constituinte para ter o poder supremo de lutar contra a corrupção em todas as partes onde esteja incrustada […]. É uma Constituinte para mudar tudo”, afirmou Maduro.

A inscrição de candidatos para a Constituinte será realizada na quinta e sexta-feira, anunciou nesta semana o Conselho Nacional Eleitoral (CNE). Os postulantes deverão se inscrever em um site e recolher assinaturas que apoiem a sua candidatura.

As eleições de constituintes, segundo projeta o CNE, acontecerão no final de julho com um sistema que combina votações por municípios e por setores sociais.

O mecanismo setorial é considerado por analistas e dirigentes opositores como uma “armadilha” com a qual Maduro busca fugir do voto universal e se manter no poder em um momento em que a sua gestão é rechaçada por sete em cada 10 venezuelanos, de acordo com pesquisas privadas.

Mas o presidente, novamente, defendeu a Constituinte. “Vamos todos votar. Votos sim, balas não […]. Constituinte ou violência, Constituinte ou golpe de Estado, Constituinte ou ‘guarimbas’ [protestos violentos]”, expressou.

A oposição denuncia que o sistema viola a proporcionalidade do voto, princípio estabelecido na Constituição venezuelana, que diz que os territórios com maior população devem ter maior representação.

Segundo disse Maduro, o distrito capital de Caracas, com uma população estimada em mais de dois milhões de habitantes, irá eleger sete delegados; o estado do Amazonas, com 150.000 residentes, escolherá oito.

(Com AFP)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jorge Luís dos Santos

    Acima da lei não, mas fora da lei!

    Curtir

  2. JOSÉ CANUTO V. DA S. JR.

    Essa é a “DEMOCRACIA” tão defendida pela nossa esquerda e PUTÊ.
    Só OTÁRIO acredita neles.

    Curtir

  3. Parceiro do Pingácio.

    Curtir

  4. Napoleao Gomes

    Sim, o poder do NARCOTRÁFICO acima da lei. Isso já ocorre no Brasil.

    Curtir

  5. José Carlos Lopes de Oliveira

    Censura é atitude de covardes que trabalham para os corruptos. VEJA corrupta. No entanto, faz 4 semanas que não recebo a minha revista, Isso a VEJA faz bem. Assinar a VEJA é jogar dinheiro fora. NÃO ASSINEM ESSA REVISTA. A ABRIL NÃO ENTREGA. 900 216 264 985 – 900 216 404 275
    900 216 404 275
    900 216 264 985
    900 216 404 275

    Curtir

  6. Todo ditador precisa de uma Constituição pra chamar de sua.

    Curtir

  7. VERDE e AMARELO

    Comunista é o pior dos bandidos, pois é a soma de todos eles, essa raça matou 120 milhoes de pessoas, são sócio-fundadores do narco-trafico e isso é impedido por eles de chegar ao conhecimento do povo!

    Curtir