Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça chilena abrirá testamento de Augusto Pinochet

Ação de 'caráter civil' faz parte de investigação sobre fortuna de ex-ditador

A justiça chilena abrirá nesta quarta-feira o testamento de Augusto Pinochet para calcular o patrimônio real do ex-ditador, como parte de uma investigação sobre a origem de sua fortuna, informaram à agência EFE fontes do Poder Judiciário chileno.

A ação foi movida pelo Conselho de Defesa do Estado (CDE). De acordo com as fontes consultadas, o testamento que será aberto foi modificado por Pinochet em 2005, quando o ex-presidente já era investigado após a descoberta de que possuía contas secretas no Riggs Bank, dos Estados Unidos, e outras instituições financeiras do exterior. O ex-ditador morreu em 10 de dezembro de 2006.

O testamento está em mãos do tabelião Eduardo Avello e dois amigos da família Pinochet assinaram o documento como testemunhas. Os três foram convocados para a audiência desta quarta-feira, que também contará com a presença de um advogado do CDE. O advogado da família do ex-ditador e alguns de seus membros também podem comparecer ao ato, mas isto ainda não foi confirmado.

Família – Lucía Hiriart, uma das filhas de Pinochet, disse em declarações ao jornal La Segunda que não assistirá à abertura do testamento de seu pai porque tem compromissos como vereadora em Santiago.

Ela afirmou que não tem “nenhuma expectativa” sobre o processo e que desconhece o conteúdo do testamento. As propriedades de Pinochet que serão repartidas no documento são casas no bairro santiaguino do Lo Barnechea, um terreno na localidade litorânea de Quintero, uma casa nos arredores de Santiago, apartamentos em Reñaca, Iquique, Valparaíso e Santiago, além de três automóveis.

Os imóveis estão embargados pela Justiça, que também congelou US$ 2,6 milhões depositados em instituições bancárias. A investigação precisou que a fortuna de Pinochet supera os 26 milhões de dólares, mas somente 2 milhões de dólares têm origem justificada.

Leia também:

Leia também: Chile: regime de Pinochet volta a ser denominado ‘ditadura’

Caráter civil – O juiz responsável pelo processo explicou à imprensa local que a abertura do testamento do ditador é um “ato de caráter civil” que permitirá conhecer a distribuição de seus bens entre os herdeiros, apesar de todas as propriedades de Pinochet estarem embargadas.

Ao morrer, Pinochet estava sendo investigado no que ficou conhecido como Caso Riggs por fraude ao Fisco, uso de passaporte falso e desvio de fundos públicos.

Lucía Hiriart considerou que a abertura do testamento de seu pai “é parte de uma perseguição política” que começou no governo do ex-presidente Ricardo Lagos e que segue em andamento pois “ninguém é capaz de cortar o assunto”.

Ela sustentou que Pinochet não tem todo o dinheiro que a investigação constatou e lamentou a campanha de “desprestígio” que, segundo sua opinião, existe em torno da figura do ditador e sua família.

(Com agência EFE)