Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Julgamento de Mubarak será retomado no dia 17 de janeiro

Na última audiência, a promotoria egípcia pediu a pena de morte para o ditador

O juiz encarregado do processo contra o ditador egípcio Hosni Mubarak adiou nesta terça-feira o julgamento do dia 9 para o próximo dia 17 de janeiro. Na última sessão, os advogados de acusação pediram a pena de morte para os processados, sustentando que o assassinato de manifestantes foi premeditado. Mubarak, de 83 anos, está sendo processado junto com o ex-ministro do Interior Habib Al Adli e seis de seus assessores por seu suposto envolvimento na morte de centenas de manifestantes que saíram às ruas para pedir sua renúncia, que ocorreu em 11 de fevereiro.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, egípcios iniciaram, em janeiro, sua série de protestos exigindo a saída do então presidente Hosni Mubarak.
  2. • Durante as manifestações, mais de 800 rebeldes morreram em choques com as forças de segurança de Mubarak que, junto a seus filhos, é acusado de abuso de poder e de premeditar essas mortes.
  3. • Após 18 dias de levante popular, em 11 de fevereiro, o ditador cede à pressão e renuncia ao cargo, deixando Cairo.
  4. • No lugar dele, assumiu a Junta Militar que segue governando o Egito até o fim do processo eleitoral.

Leia mais no Tema ‘Revolta no Egito’

Um dos advogados das vítimas, Ashraf Atwa, explica que foi argumentado que Mubarak estava ciente dos crimes cometidos nas praças do Egito e não adotou nenhuma medida para freá-lo. Neste sentido, os representantes das vítimas argumentaram que todos sabiam onde os manifestantes se reuniam e seus motivos, razão pela qual os crimes perpetrados contra eles não foram uma casualidade, mas premeditados, segundo relatou Atwa. Os advogados também mencionaram o depoimento do ex-ministro do Interior Mansour al-Esawi, nomeado após a revolução de 25 de janeiro de 2011, que afirmou que a ordem de disparar contra os manifestantes tinha que ser tomada pelo presidente do país e supervisionada pelo titular desse ministério.

Repressão – Na audiência, a última dedicada aos advogados das vítimas, também foi denunciado que foram entregues aos policiais armas de fogo para atacar os manifestantes e franco-atiradores foram posicionados nos telhados dos edifícios próximos a praças como Tahrir. As forças de segurança dispararam contra os manifestantes em áreas vitais do corpo com a intenção de causar sua morte e, além disso, alguns agentes à paisana se infiltraram entre os participantes dos protestos para agredi-los, de acordo com o depoimento dos defensores. Tudo isso implica Mubarak e Al Adli e, segundo Atwa, torna necessária a aplicação da pena de morte aos acusados, como já pediu a Procuradoria egípcia na semana passada.

Além deste caso, o ex-presidente é julgado por crime de corrupção, pelo qual também estão sendo processados seus filhos, Gamal e Alaa, e o empresário egípcio Hussein Salem, detido na Espanha. Quanto a Gamal, os advogados das vítimas solicitaram que seja incluído no processo pelo assassinato de manifestantes e exigiram a recuperação de aproximadamente 75 toneladas de ouro que o filho mais novo de Mubarak enviou ao exterior. Neste julgamento, batizado no Egito como o “processo do século”, está previsto que até 16 de fevereiro sejam escutados os advogados da defesa, antes de a sentença ser ditada.

(Com agência EFE)