Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Julgamento contra médico de Michael Jackson agora só aguarda sentença

Fernando Mexía.

Los Angeles (EUA), 3 nov (EFE).- O julgamento contra o cardiologista Conrad Murray, acusado de homicídio culposo pela morte do cantor Michael Jackson, aguarda agora somente o veredicto, que deve ser decidido nesta sexta-feira, após a apresentação das alegações finais nesta quinta na Corte Superior de Los Angeles.

A promotoria pediu aos 12 membros do júri que condenem o médico de 58 anos para ‘fazer justiça’ sobre o ocorrido ao Rei do Pop, que, segundo a acusação, confiou em Murray para cuidar de sua saúde e acabou pagando com a própria vida.

O promotor David Walgren disse que as provas apresentadas durante os 22 dias de julgamento comprovaram que Murray deu ao artista uma dose letal do remédio propofol, que causou a morte do cantor em sua mansão, onde não tinha equipamento para reanimá-lo em caso de complicações.

Segundo se soube no processo, Michael Jackson sofria de insônia e frequentemente consumia propofol, um anestésico exclusivamente de uso hospitalar.

‘Conrad Murray realizou um experimento farmacológico com Michael Jackson’, disse Walgren, que lembrou que o remédio não era indicado para problemas de sono e acusou o cardiologista de ter falhado no momento de atender o artista de acordo com os padrões médicos, no que qualificou de um comportamento ‘carente de ética’.

A promotoria disse Murray não cuidou de Michael como deveria quando ele estava sedado, demorou para chamar o atendimento de emergência e tentou ocultar provas do ocorrido na fatídica manhã do dia 25 de junho de 2009.

Walgren também desqualificou o especialista em propofol Paul White, testemunha convocada pela defesa, que sugeriu a possibilidade de o cantor ter se injetado propofol num momento de distração de Murray, o que teria ocasionado a morte. O promotor justificou com relatórios que qualificou ‘um lixo de ciência’.

Já a tese da defesa reconheceu equívocos do médico, mas buscou classificá-los como falhas de procedimento, evitando assim a tipificação de crime. O advogado da defesa, Ed Chernoff, alertou ao júri que a promotoria não conseguiu provas para eliminar uma dúvida razoável sobre homicídio.

‘Não negamos que o médico Conrad Murray tenha cometido erros, mas este deveria ser um julgamento civil, não criminal’, declarou Chernoff, para quem a promotoria reuniu uma série de testemunhos com a intenção de destruir a imagem de seu cliente.

‘Alguém precisa dizê-lo, alguém precisa dizer a verdade. Se não se tratasse de Michael Jackson, será que este médico estaria aqui hoje?’, questionou o advogado, que classificou seu cliente como ‘um pequeno peixe em uma lagoa grande e suja’.

‘Há um grande desejo de tachar Murray como o perfeito vilão e Michael Jackson como a perfeita vítima, como num programa de televisão, mas isso não existe’, comentou Chernoff. ‘A promotoria quer culpar Murray pelas ações de Michael Jackson’.

Durante as audiências, a defesa enfatizou que o cantor era viciado em sedativos e usava com frequência propofol.

Walgren, em suas alegações finais, disse que os argumentos de Chernoff sugeriam que tudo se ‘tratava de uma conspiração’ na qual todo mundo mentia, menos o réu.

‘Michael Jackson está morto, mas pobre Conrad Murray’, exclamou Walgren em tom sarcástico. Segundo o promotor, os três filhos de Michael ficaram órfãos por culpa do médico.

Antes de concluir, Walgren reconheceu que não podia ‘provar exatamente o que aconteceu dentro’ do quarto de Michael, mas ficava claro o que ‘tinha acontecido a cada noite’, referindo-se ao volume de propofol administrado por Murray. ‘Michael Jackson morreu de intoxicação de propofol’.

‘Não há nada incomum e imprevisível no que aconteceu, o que é imprevisível é que Michael Jackson conseguiu viver tanto tempo sob os cuidados do médico Murray’, ironizou Walgren.

Caso o júri considere o réu culpado, Murray pode enfrentar uma sentença de até quatro anos de prisão, além de perder sua licença médica. EFE