Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Jon Huntsman, o republicano que trabalhou para Obama

Raquel Godos.

Washington, 30 dez (EFE).- O pré-candidato republicano Jon Huntsman talvez seja um dos mais qualificados entre os sete que pretendem enfrentar Barack Obama nas eleições presidenciais de 2012 nos EUA, mas seu maior trunfo para consegui-lo é exatamente ter trabalhado para o atual presidente.

Com um extenso histórico diplomático, político e empresarial, de caráter moderado e pai de uma família numerosa e tradicional, este antigo missionário mórmon apresenta credenciais que a priori lhe transformariam em favorito, mas a base republicana não o perdoa por nos últimos dois anos ter sido o embaixador do Governo de Obama em Pequim.

Casado e com sete filhos, Huntsman serviu nas administrações de quatro dos presidentes dos Estados Unidos; começou na Casa Branca de Ronald Reagan quando era muito jovem e depois se envolveu nos Governos de Bush pai e Bush filho.

Com o primeiro desempenhou o cargo de subsecretário do Departamento de Comércio, e mais tarde começou sua carreira diplomática como embaixador dos EUA em Cingapura.

Na Administração de George W. Bush trabalhou no Escritório do Representante de Comércio americano.

Bom conhecedor da cultura e da linguagem chinesa, após ter passado anos em Taiwan na sua juventude como missionário, teve um papel fundamental na entrada de Taiwan e da China na Organização Mundial do Comércio em 2001.

Após deixar a Administração federal, foi governador do estado de Utah de 2004 a 2009, posto para cuja reeleição recebeu mais de 76% de apoio nas urnas.

Nascido no dia 26 de março de 1960 em Redwood City, Califórnia, foi criado em uma família rica, e seu pai era um importante empresário e filantropo, fundador da Hunstman Corporation.

Escoteiro desde a infância, seu amor pela vida de acampamento se transformou durante a adolescência em uma paixão pela música, que o fez abandonar os estudos de bacharelado em Salt Lake City (Utah) para se dedicar aos teclados em uma banda de rock.

Mais tarde retomaria os estudos e após finalizar o ensino médio matriculou-se na Universidade de Utah e especializou-se em Política Internacional na Universidade da Pensilvânia em 1987.

Mórmon, assim como seu oponente Mitt Romney, serviu como missionário desta religião em Taiwan durante dois anos, antes de entrar na política com Ronald Reagan.

Huntsman se define como um moderado de centro-direita e com sua política econômica como governador de Utah seu estado se transformou em um dos principais criadores de emprego do país.

Apoiou também os cortes de emissões de gases poluentes e foi um dos governadores que se pronunciou a favor da reforma migratória quando o Congresso tentou impulsioná-la, finalmente sem sucesso, em 2007.

Reeleito para esse cargo com um forte apoio popular, em 2009 incorporou-se à Administração Obama como embaixador em Pequim, algo que acabou provocando críticas tanto dos republicanos mais conservadores como dos democratas.

Huntsman, que renunciou em abril passado a seu posto diplomático para apresentar sua candidatura presidencial, é atacado pelos democratas pelo que consideram o abandono da ideologia centrista para cortejar bases republicanas mais conservadoras.

E a ala direitista republicana o critica por aceitar fazer parte de uma administração que consideram o inimigo político a ser batido.

Em parte para distanciar-se do Governo de Obama, Huntsman criticou a atual política externa americana, por se concentrar demais nas áreas problemáticas e carecer de uma visão mais global.

Apesar dessas críticas, as pesquisas não lhe são muito encorajadoras: nunca chegou a abandonar as últimas colocações, algo que o levou a deixar de lado Iowa, onde não tem possibilidades reais, para concentrar-se em New Hampshire, a próxima etapa eleitoral e um estado mais centrista que pode estar mais em sintonia com suas propostas. EFE