João Paulo II e João XXIII, os novos santos da Igreja Católica

Os dois papas mais populares do século XX serão canonizados neste domingo em cerimônia pública no Vaticano. Santa Sé aguarda milhares de fiéis

Os papas João Paulo II (1978 – 2005) e João XXIII (1958 – 1963) serão oficialmente declarados santos neste domingo no Vaticano. Uma série de atos litúrgicos, encontros e entrevistas coletivas foram organizados para a celebração. Neste sábado, o arcebispo de São José da Costa Rica, José Rafael Quirós, realizará uma missa para todos os peregrinos de língua espanhola na Igreja Nacional Espanhola de Santiago e Montserrat, em Roma. O protagonismo de Costa Rica neste caso se justifica pela figura de Floribeth Mora Díaz, cidadã costa-riquenha que, oficialmente por um milagre de João Paulo II, se viu inexplicavelmente curada de uma grave doença. Haverá ainda uma ‘Noite Branca de Oração’, na qual onze igrejas de Roma oferecerão homilias em seis idiomas: italiano, espanhol, português, inglês, francês e árabe.

As canonizações serão realizadas em uma cerimônia marcada para as 10 horas da manhã, na Praça São Pedro, e a Santa Sé espera a presença de 5 milhões de fieis do mundo todo. A polícia italiana também foi mobilizada para o evento. A rede mundial de televisão católica EWTN também vai exibir ao vivo os atos para todo o mundo, assim como o Vaticano, através de um portal especialmente criado para a celebração.

Leia também

Papa fica irritado com cardeal que vai morar em cobertura

Em mensagem de Páscoa, papa pede paz na Ucrânia e na Síria

Canonizado, José de Anchieta é o terceiro santo brasileiro

João Paulo II – O primeiro milagre de João Paulo II, que o tornou beato em maio de 2011, refere-se à cura do Parkinson da freira francesa Marie Simon-Pierre. O segundo, o caso de Floribeth Díaz, foi reconhecido em junho do ano passado.

Primeiro pontífice não italiano desde a escolha do holandês Adriano VI, em 1522, Karol Wojtyla nasceu em 1920 em Wadowice, no sul da Polônia, em uma família humilde. Foi nomeado bispo titular de Ombi, na Polônia, auxiliar da arquidiocese da Cracóvia em 1958, arcebispo da mesma cidade em 1963 e cardeal em 1967. Após a morte repentina do papa João Paulo I, Wojtyla foi eleito sucessor e adotou o nome João Paulo II em homenagem ao antecessor, que ficou apenas um mês no comando da Igreja Católica. Aos 58 anos, tornou-se o pontífice mais jovem do século XX. Foi entronizado em 22 de outubro de 1978 e se transformou em uma das personalidades mais emblemáticas das últimas décadas, com influência tanto entre os fiéis católicos como na geopolítica mundial. (Continue lendo o texto)

João Paulo II foi um papa muito político. Para vários analistas, ele teve atuação decisiva nos processos de fim da União Soviética e queda da Cortina de Ferro. Um exemplo disso foi sua viagem à Polônia em junho de 1979, a viagem mais importante de todo o seu pontificado. A presença do pontífice propiciou que seu povo, pela primeira vez em quase quarenta anos, manifestasse abertamente seu descontentamento com o autoritarismo político, a estagnação econômica e a inércia social a que estavam submetidos. A histórica peregrinação teve o efeito de catalisar o processo de esfacelamento do regime comunista.

O fato de o papa ser protagonista no processo de desestabilização dos regimes do Leste Europeu fez com que surgissem teorias conspiracionistas a respeito do atentado na Praça São Pedro, em 1981. Muitos desconfiaram de que o turco Ali Agca disparou contra João Paulo II a mando dos soviéticos. Agca afirmou ter agido por decisão própria. Posteriormente, recebeu o perdão do papa.

Durante seu pontificado, João Paulo II realizou mais de 1.300 beatificações, entre elas a do papa Pio IX, e 482 canonizações, incluindo a de Juan Diego, primeiro indígena da América Latina a ser proclamado santo. Conhecido como o ‘pontífice peregrino’, João Paulo II viajou pelo mundo ao encontro de seu rebanho, visitando mais países do que qualquer antecessor, e atingiu em outubro de 1995 um curioso recorde: passou de um milhão de quilômetros percorridos.

O pontífice morreu em 2 de abril de 2005 no Palácio do Vaticano e foi enterrado em 8 de abril na cripta da Basílica de São Pedro, a poucos metros do túmulo do apóstolo. Seu corpo lá permaneceu até 1º de maio de 2011, data de sua beatificação, quando foi levado à capela de São Sebastião, no templo vaticano.

João XXIII – Conhecido como o ‘papa bom’, João XXIII inaugurou em 1959 o Concílio Vaticano II, o grande marco da reforma litúrgica e da atualização doutrinal da Igreja. Dada a sua importância para a renovação da Igreja, Francisco dispensou a necessidade de um segundo milagre para torná-lo santo. Desta forma, ele será canonizado tendo comprovado apenas um milagre: a cura da irmã italiana Caterina Capitani, na década de 60. A religiosa sofria de uma úlcera gravíssima. (Continue lendo o texto)

É reconhecido por ter permitido a modernização da vida no Vaticano, o rejuvenescimento do Colégio Cardinalício e a intensificação das relações diplomáticas do Pontificado com os líderes políticos mundiais. Sua contribuição fundamental para a Igreja Católica foi a proclamação do Concílio Vaticano II, em 21 de janeiro de 1959, apenas dois meses depois do início de seu pontificado.

Com este concílio, ele convocou todos os bispos do mundo para promover a adaptação da Igreja aos novos tempos e a decidir a forma de transmitir a mensagem de Deus com uma linguagem mais compreensível para todos. As decisões mudaram a forma com que os católicos se relacionavam com a Igreja, como a adaptação da liturgia, o que deu espaço para que depois fossem celebradas nas línguas vernáculas em vez do latim. João XXII estabeleceu relação com os líderes soviéticos e contribuiu para reduzir a tensão entre comunistas e cristãos. Além disso, criou uma Comissão para a Unidade Cristã para tecer laços amistosos com as igrejas protestantes e ortodoxas.

O pontífice morreu em 3 de junho de 1963 no Vaticano. Em 20 de dezembro de 1999, foi declarado venerável, e em 3 de setembro de 2000, beatificado por João Paulo II. Sua nomeação como beato aconteceu depois de ser reconhecida a milagrosa cura da religiosa italiana Caterina Capitano, que esteve a ponto de morrer por uma peritonite aguda e que, segundo ela, após pedir a João XXIII, conseguiu sobreviver. Em 5 de julho de 2013, o papa Francisco assinou o decreto que autoriza a santificação de João XXIII, e em 30 de setembro anunciou que será canonizado junto com João Paulo II na Praça de São Pedro. Neste caso, sua canonização será um processo singular, pois Francisco elevará João XXIII aos altares de santo apesar do não cumprimento do requisito de um segundo milagre, como era até agora exigido pela Igreja. Segundo o jornal britânico The Guardian, a pequena cidade de Sotto il Monte, com pouco mais de 3.500 pessoas, está se preparando para a repercussão da canonização e espera receber muitos turistas e peregrinos que devem visitar o local onde João XXIII nasceu.

(Com agências EFE e Reuters)