Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Japão reinterpreta Constituição pacifista para ampliar ação militar

Forças Armadas devem intervir em defesa de aliados, mesmo que o país não esteja diretamente envolvido

O governo do Japão anunciou nesta terça-feira uma histórica e controversa reinterpretação da Constituição pacifista adotada pelo país depois da II Guerra Mundial para permitir que as Forças Armadas ajudem aliados sob ataque, mesmo que o Japão não esteja diretamente envolvido. O primeiro-ministro Shinzo Abe defendeu a expansão do papel militar do Japão como forma de manter a paz ao dissuadir agressores. No entanto, uma nação a ser dissuadida, a China, considera a mudança uma tentativa de desestabilizar a região. A Coreia do Sul, outro aliado dos EUA, mas que sofreu com o expansionismo japonês durante a primeira metade do século XX, disse que não aceitaria qualquer mudança de política que afetasse sua segurança e com a qual não concordasse.

A mudança não entrará em vigor imediatamente porque o Parlamento (onde a coalizão governista tem maioria confortável) ainda precisa derrubar barreiras legais à ampliação da ação militar do país. Restrições podem ser impostas neste processo, se a legislação assim exigir. Independente disso, já há limites previstos à atuação dos militares. Abe afirmou que não haverá mudanças no princípio geral de que o país não envia tropas para combate no exterior, e seu gabinete explicou que as forças de autodefesa só poderão agir quando for identificado um “perigo claro” ao Japão ou ao seu povo, usando “o mínimo necessário de força”.

Leia também:

Vereador de Tóquio pede desculpas por mandar colega ‘arrumar marido’

Japão faz primeira expansão militar em mais de 40 anos

Pela primeira vez, EUA e China realizam exercícios navais juntos

A medida foi insistentemente promovida pelo premiê, apesar da rejeição de boa parte da opinião pública no Japão e também de membros da coalizão governante. Milhares de manifestantes, incluindo estudantes e aposentados, marcharam na segunda-feira até a sede do governo carregando faixas e gritando “Eu não quero ver os nossos filhos e soldados morrerem” e “Protejam a Constituição”. No domingo, em Tóquio, um homem ateou fogo em si mesmo como forma de protesto.

Abe tentou tranquilizar a população, afirmando que, apesar da medida, o Japão “não vai se envolver em uma guerra para defender outro país”, mas justificou sua posição ressaltando as ameaças que pairam sobre a nação, em uma clara referência às ambições da China de desafiar o domínio dos EUA e seus aliados na região. Os Estados Unidos, que derrotaram o Japão na II Guerra Mundial e depois se tornaram aliados próximos com um tratado de cooperação na área de segurança, comemorou a mudança e afirmou que ela tornará mais efetiva a aliança bilateral. “Essa decisão é um passo importante para o Japão porque busca dar uma maior contribuição para a paz regional e global”, disse o secretário de Defesa Chuck Hagel, em comunicado.

O Partido Liberal-Democrata de Abe teve de negociar com seu parceiro de coalizão, o budista Novo Komeito, inicialmente contrário à reinterpretação do texto constitucional. Também surgiram críticas em relação a forma como o governo agiu para realizar a mudança, desprezando a possibilidade de promovê-la por meio de uma emenda constitucional, o que exigiria uma tramitação longa no Legislativo. Daí o atalho por meio da “reinterpretação” da Constituição.

Leia mais:

China constrói ilhas em águas disputadas no sul da Ásia

China usa ‘House of Cards’ para dizer que Ocidente é corrupto

Soldados japoneses durante a II Guerra Mundial

Soldados japoneses durante a II Guerra Mundial (VEJA)

Mudanças – O artigo nove da Constituição japonesa estabelece que seu povo “renuncia para sempre à guerra como um direito soberano da nação e à ameaça ou uso da força como meio de resolver disputas internacionais”. Nas últimas décadas, as Forças Armadas ficaram de fora dos conflitos que ocorreram na Ásia. A maior parte da segurança do Japão é garantida pelos EUA, que possuem várias bases no país. Pela interpretação atual, o Japão mantém forças militares unicamente como medida de autodefesa. A nova interpretação permite ao país exercitar seu direito de autodefesa coletiva, se “a existência do país for ameaçada e existir um claro perigo de que sejam cancelados os direitos do povo à vida, à liberdade e à busca da felicidade”.

O conceito de autodefesa coletiva está contemplado no direito internacional e, além da assistência militar aos aliados em caso de ataque, pode permitir a participação do Japão em operações de segurança das Nações Unidas.

O texto pacifista da Constituição foi adotado em 1947, durante a ocupação do país por forças americanas, e contou com a supervisão do general Douglas MacArthur, o supremo comandante aliado. O objetivo era frear o militarismo japonês que vigorou nas décadas anteriores ao conflito e mergulhou a Ásia em um banho de sangue durante a II Guerra Mundial.

(Com agências Reuters, EFE France-Presse)