Itália: a prefeita que o mundo admira, mas a população rejeitou

Giusi Nicolini recebeu o Prêmio da Paz da Unesco e se tornou um símbolo mundial do acolhimento a refugiados, mas não conseguiu ser reeleita em Lampedusa

No período em que esteve à frente da prefeitura de Lampedusa, uma pequena ilha da Itália, Giusi Nicolini ganhou projeção mundial e se tornou um símbolo do acolhimento a refugiados. No final de 2016, foi escolhida como uma das quatro mulheres que representam a “excelência” em seu país e acompanhou o ex-primeiro-ministro Matteo Renzi a um jantar na Casa Branca com o então presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Em abril deste ano, Nicolini recebeu o prestigioso prêmio Prêmio da Paz da Unesco. O reconhecimento internacional por ter “salvado a vida” e “acolhido com dignidade” inúmeros imigrantes, no entanto, não foi suficiente para que Nicolini conquistasse os votos necessários para se reeleger.

A agora ex-prefeita ocupava o cargo desde 2012, mas ficou em terceiro lugar nas eleições de junho, com apenas 908 votos dos cerca de 6.500 habitantes da cidade. Salvatore Martello, que recebeu 1.566 votos, elegeu-se novamente, quinze anos depois de deixar a prefeitura. A módica diferença de pouco mais de 600 votos é emblemática. Ilha mais ao sul do Itália, Lampedusa é uma importante porta de entrada para a Europa no Mediterrâneo. O país, que por sua localização geográfica e políticas humanitárias recebeu, apenas neste ano, mais de 85 mil imigrantes e refugiados, luta para lidar com crise migratória sem grande apoio dos vizinhos do bloco europeu.

Para o prefeito eleito, no entanto, a derrota de Nicolini não representaria uma rejeição da população aos refugiados, muitos deles acolhidos pelos cidadãos em suas próprias casas, mas um descontentamento com as prioridades da ex-governante.  “Não foi uma surpresa para nós que ela perdeu”, disse Salvatore Martello ao jornal The Guardian. Proprietário de um hotel e pescador, Martello foi prefeito da cidade entre 1993 e 2001. Durante a campanha, chegou a dizer que “não aguenta ver os migrantes pululando em todos os lugares”. Apesar disso, garante que a ilha continuará sendo acolhedora, mas que seu foco deve se concentrar em melhorar a vida das pessoas locais. “Nos anos em que foi prefeita, Nicolini criou uma imagem da ilha no exterior e priorizou a situação dos imigrantes, esquecendo seu povo”, disse.

De acordo com o The Guardian, a ilha italiana enfrenta problemas críticos na saúde, emprego e abastecimento de água. As instalações hospitalares locais atendem apenas problemas simples – não há nem mesmo uma maternidade – e pessoas que precisam de cuidados mais complexo precisam voar até a Sicília para receber atendimento.

A despeito da desaprovação local, Giusi Nicolini recebeu do ex-primeiro-ministro italiano o incentivo para seguir em frente. “Ele me disse para não me deixar abater e continuar com o trabalho. Eu respondi que eu vou fazer uma pequena pausa e continuarei com mais energia do que antes”, disse Nicolini ao jornal La República.

Além da mensagem particular para a ex-prefeita, Matteo Renzi postou um reconhecimento público em sua conta no Facebook. “Eu gostaria de agradecer a Giusi Nicolini. Nos últimos anos, ela tem sido um ponto de referência para muitos, na Itália e na Europa, envolvidos em um desafio cultural difícil: mostrar que os valores não cedem ao medo”, escreveu.  “Na política você pode ganhar, você pode perder. Mas a qualidade das relações humanas – se autêntica – nunca perde. Giusi, obrigado pelo seu esforço de tantos anos”, completou o ex-primeiro-ministro.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. O ISIS adora ela!

    Curtir

  2. Ela e uma traidora do seu próprio povo. Ela colocou o interesse pessoal dela de se promover a cima dos interesses da sua administração. Refugiados existem por causa dos bancos e das dividas das nações pobres. Quer resolver o problema elimine a divida artificialmente criada pelos bancos europeus.

    Curtir

  3. Claudio Malagrino

    Perdeu porque priorizou a agenda globalista, ao invés de responder às necessidades de sua população.

    Curtir

  4. Geraldo Coelho

    As pessoas normais já não aguentam tanto mimimimi, refugiados, agenda gay, esquerda, pobre, rico, direita, branco, azul, verde, homo, hetero, o mundo esta polarizado, uma minoria de intelectuais apoiado pela imprensa, querendo enfiar goela abaixo do mundo, uma agenda que só favorece a eles mesmos. Ninguem aguenta mais tanto mimimi.

    Curtir

  5. Fabio Marques

    O mundo esquerdista do faz de conta… só se for kkk Qualquer sujeito com um mínimo de inteligência sabe que ela é uma idiota suicida. A Europa está condenada pela falta de testosterona de seus governantes.

    Curtir