Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Israel aprova construção de casas de colonos após posse de Trump

Autorização acontece dois dias após saída de Obama, crítico dos assentamentos. 'As regras do jogo mudaram', comemorou presidente de comissão da prefeitura

A prefeitura israelense de Jerusalém deu a aprovação definitiva à construção de 556 casas em três bairros de colonos do leste da cidade, de população majoritariamente árabe, anunciou neste domingo um conselheiro municipal.

A confirmação das novas construções israelenses acontece dois dias depois da saída de Barack Obama do poder nos Estados Unidos e a posse de Donald Trump. O agora ex-presidente democrata era contrário a novos assentamentos de Israel em áreas palestinas e tinha uma relação conturbada com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. O líder israelense anunciou que pretende conversar na noite deste domingo com Trump.

‘As regras do jogo mudaram’

Em Jerusalém Oriental, a pedido de Netanyahu, foram congeladas no fim de dezembro as autorizações de construção de casas, explicou à agência France-Presse Meir Turgeman, presidente da comissão de construção e planejamento da prefeitura de Jerusalém. Com a saída de Obama, estas casas serão construídas agora nos bairros de colonos de Pisgat Zeev, Ramot e Ramat Shlomo.

“As regras do jogo mudaram com a chegada de Donald Trump ao poder. Não temos mais as mãos atadas, como na época de Barack Obama”, afirma Turgeman. “Estas 566 casas são apenas o tiro de largada. Temos planos para construir 11.000 casas à espera de serem autorizadas” nos bairros de colonos de Jerusalém Oriental, acrescenta.

O prefeito de Jerusalém, Nir Barkat, declarou em um comunicado que também serão construídas 105 casas nos bairros palestinos. “Passamos oito anos difíceis com Barack Obama, que pressionava para que as construções fossem congeladas”, explicou o prefeito.

Cerca de 430.000 colonos israelenses vivem atualmente na Cisjordânia ocupada e mais de 200.000 em Jerusalém Oriental, que os palestinos desejam que seja a capital do Estado ao qual aspiram.

Campanha

Paralelamente, a ala mais dura da direita israelense lançou uma campanha a favor de uma anexação de Maalé Adumim, uma importante colônia da Cisjordânia ocupada. Situada a leste de Jerusalém e criada em 1975, Maalé Adumim é a terceira colônia mais populosa da Cisjordânia.

Segundo um novo projeto de lei apresentado por dois deputados da maioria parlamentar, que o gabinete de segurança deve debater neste domingo, Israel anexaria Maalé Adumim, assim como um setor que uniria esta colônia a Jerusalém. Esta decisão dividiria a Cisjordânia em dois e tornaria praticamente impossível a criação de um Estado palestino viável, com continuidade geográfica.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Caro Marques, eu não morro de amores pelo comportamento arrogante e indigno de Israel. Porém, pouco tenho contra os judeus e tenho amigos judeus. Fui educado como grande fã de Israel, mas depois de adulto comecei a ver as coisas com os meus próprios olhos e vi os tantos crimes sendo cometidos pelo estado de Israel junto com a constante sabotagem israelense de qualquer possibilidade de paz.

    Curtir

  2. manoel heriberto manoel

    judeus ladrões, malditos

    Curtir