Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Informante do Wikileaks é internada após possível tentativa de suicídio

Chelsea Manning cumpre pena de 35 anos em uma prisão militar no Kansas, nos Estados Unidos

Chelsea Manning, a responsável pelo vazamento de documentos secretos americanos em 2010 ao Wikileaks, foi hospitalizada após uma possível tentativa de suicídio, segundo fontes militares consultadas nesta quarta-feira pela CNN. Manning, que cumpre uma condenação de 35 anos em uma prisão militar no Estado americano do Kansas pelos vazamentos, foi internada na manhã de terça-feira e agora está sob observação médica.

A equipe legal de Manning, de 28 anos e que está imersa em processo de mudança de sexo na prisão, afirmou hoje que soube da hospitalização de sua cliente pela imprensa e criticou o isolamento que ela sofre na prisão militar de Fort Leavenworth.

“Estamos surpreendidos que um membro de Leavenworth tenha entrado em contato com a imprensa com informação confidencial sobre Chelsea Manning e mesmo assim não tenha contatado ainda sua equipe legal”, destacou o comunicado.

Leia mais:

EUA espionaram Netanyahu, Berlusconi e Ban Ki-moon

Suécia quer interrogar Assange mais uma vez em Londres

WikiLeaks vaza conteúdo de e-mail do diretor da CIA

A equipe de defesa pediu ao Exército que os contate imediatamente para obter mais informação sobre o estado médico de Manning, depois que na terça-feira lhe foi negada uma ligação telefônica sem indicar-lhe que a ex-militar estava hospitalizada.

No ano passado, o Exército americano permitiu a Manning o acesso ao tratamento hormonal para iniciar seu processo de mudança de sexo. Ela também foi liberada para colaborar com a imprensa e escrever em uma conta do Twitter de dentro da prisão, onde permanecerá por pelo menos cinco anos, até que tenha direito a uma revisão de sua pena.

O vazamento realizado por Manning, analista de segurança do Exército no Iraque, expôs centenas de milhares de telegramas diplomáticos, documentos sobre a prisão de Guantánamo e das guerras do Iraque e do Afeganistão, publicados integralmente pelo Wikileaks.

(Com EFE)