Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Imprensa dos EUA se une para combater Google e Facebook

Mídia americana quer ter mais força para negociar a divisão das verbas publicitárias, que chegam a 73 bilhões de dólares

A News Media Alliance, uma associação que representa cerca de 2 mil veículos de imprensa dos Estados Unidos e do Canadá, pediu na segunda-feira ao Congresso americano que permita negociar de maneira coletiva com Google e Facebook sobre a distribuição de notícias pela internet e os recursos de publicidade. Esse tipo de negociação, contudo, não autorizada pela lei americana antimonopólio.

“Uma legislação que permita as organizações jornalísticas negociar coletivamente abordará os problemas generalizados que estão diminuindo a saúde e a qualidade conjunta da indústria da mídia”, disse o presidente da News Media Alliance, David Chavern.

 

Segundo a organização, Google e Facebook dominam o tráfego de notícias digitais e absorvem o grosso do dinheiro investido em publicidade, formando um “duopólio” que obriga as editoras a entregar seu conteúdo seguindo as regras por eles determinadas.

A associação considera que seus membros, entre eles “The Wall Street Journal”, “The New York Times” e “The Washington Post”, são “limitados” e têm um poder de negociação fragmentado contra um duopólio que recebe quase todo o dinheiro de publicidade.

As empresas de mídia estão em uma conjuntura complicada, entre os ataques à imprensa realizados pelo presidente dos EUA, Donald Trump, e a publicidade on-line destinada às duas empresas de tecnologia criticadas pela News Media Alliance.

Segundo o site “Marketwatch”, Google e Facebook somam mais de 70% dos US$ 73 bilhões investidos anualmente em publicidade digital, além de 80% do tráfego na internet.

Para a News Media Alliance, os sistemas de distribuição do “duopólio” estão distorcendo o “fluxo de valor econômico que deriva do bom jornalismo”, além disso vem se tornando plataformas de veiculação de notícias falsas na rede.

(Com EFE)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. O que se quer, realmente, é impedir o tráfego livre de informações. Informações essas que muitas vezes vêm para desmontar as farsas montadas por esses conglomerados de mídia. O NYT, a CNN e et caverna. O desespero está tamanho que cogitam agora censura pura e simples.

    Curtir

  2. daniel camilo do rosario

    Agora somos livres para buscar informações e compará-las nos sites e blogs independentes. Acabou a escravidão jornalística. Querem o retrocesso? Por quê não buscam outras alternativas ou a briga é só pelo dinheiro ?

    Curtir

  3. Sempre que eu conhecia o fato, a correspondente notícia de jornal tinha um furo

    Curtir

  4. No Google podemos saber se é verdade ou mentira, na mídia jornalistica a informação é unilateral não sabemos se é verdade. Só a formação dessa aliança de mídia organizada já é uma tentativa de oligopólio e de censurar o Google e Facebook.

    Curtir