Doadores de Trump pedem dinheiro de volta após vídeo polêmico

Dois doadores que contribuíram com grandes quantias para a campanha do republicano voltaram atrás após declarações machistas, segundo emissora 'NBC'

Dois doadores que contribuíram com grandes quantias para a campanha do candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, pediram o dinheiro de volta após os comentários ofensivos do magnata em relação às mulheres revelados na semana passada.

A emissora americana NBC teve acesso a dois e-mails nos quais os doadores pedem o reembolso das doações por se sentirem ofendidos e repugnados pela gravação de 2005 divulgada na sexta-feira, na qual Trump fala sobre abusar de mulheres por ser “famoso”.

“Não posso expressar suficientemente a minha decepção pelas recentes notícias sobre o senhor Trump. Como pai de duas filhas que se casarão em breve, sinto repulsa pelos comentários sobre mulheres”, escreveu um dos doadores, que “respeitosamente” pede que seja reembolsado.

LEIA MAIS:
Trump se declara livre das ‘algemas’ do Partido Republicano
Após vídeo machista, campanha de Trump sofre debandada
Vídeo: Em termos chulos,Trump conta como tentou transar com atriz

Outro dos doadores se disse “mortificado” ao escutar os comentários “infantis e constrangedores” de Trump no vídeo. “Não posso apoiar um homem machista. Espero que me devolvam as doações”, afirmou.

Segundo a NBC, os dois doadores arrependidos contribuíram com dezenas de milhares de dólares à campanha de Trump.

A própria pessoa que angariou as contribuições dos dois doadores notificou o fundo Trump Victory que não tem a intenção de continuar buscando doações para o candidato republicano – ele afirma já ter levantado cerca de 1 milhão de dólares para o magnata.

Donald Trump arrecadou 41 milhões de dólares em agosto, seu melhor mês até o momento, contra 143 milhões de dólares arrecadados pela campanha da candidata democrata Hillary Clinton.

Governo Bush com Hillary

Nesta quarta-feira, treze membros do alto escalão do governo do republicano George W. Bush (2001-2009) divulgaram uma carta aberta declarando apoio à democrata Hillary Clinton na disputa pela Casa Branca.

O grupo é liderado pela ex-secretária de Transportes Mary Peters e pela ex-chefe da Agência de Proteção Ambiental Christine Todd Whitman, ambas republicanas. No documento, elas dizem que o candidato de seu partido não representa os “valores de civilidade e honestidade que devem inspirar qualquer governo”.

A carta engrossa uma onda de republicanos que deixaram de apoiar o magnata, entre eles o presidente da Câmara dos Deputados Paul Ryan.

Perigo internacional

O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad al Hussein, afirmou também nesta quarta-feira que a eventual eleição de Trump à presidência dos Estados Unidos seria perigosa “do ponto de vista internacional”.

“Se Donald Trump for eleito, em função do que ele disse até agora e, a menos que isso mude, acredito sem dúvida nenhuma que seria perigoso de um ponto de vista internacional”, manifestou o representante da Organização das Nações Unidas.

“Comentários sobre o uso de tortura, o que é proibido pelo direito internacional, e sobre comunidades vulneráveis de uma maneira que indicaria que podem ser privados de seus direitos. Os comentários de Trump vão nessa direção, são profundamente inquietantes e alarmantes”, afirmou o diplomata jordaniano.

(Com Ansa e EFE)