Furacão Matthew provoca mortes e devastação no Haiti

Tempestade atingiu a costa sudoeste do Haiti com ventos de 230 km/h e mar revolto

A tempestade caribenha mais forte em quase uma década atingiu a costa sudoeste do Haiti com ventos de 230 km/h e mar revolto que alagou cidades litorâneas nesta terça-feira, destruindo árvores e telhados antes de partir para oceano.

O furacão Matthew deixou ao menos três mortos no Haiti.  No total, 9.280 pessoas foram evacuadas para escolas, igrejas e outros centros comunitários, disse Guillaume Albert Moléon, porta-voz do Ministério do Interior haitiano.

LEIA MAIS:
Furacão que se aproxima do Haiti pode ter efeito catastrófico

Uma importante ponte que liga a capital Porto Príncipe ao sul do país desabou, dificultando o trabalho das equipes de resgate e ajuda humanitária, reportou a rede americana CNN.

O Haiti conta com mais de 10 milhões de habitantes. Milhares de pessoas ainda vivem em barracas de campanha desde o devastador terremoto de 2010. Além disso, a erosão é muito perigosa devido às montanhas e o desmatamento.

Ajuda americana

Peter Cook, porta-voz do Pentágono, disse a jornalistas em Washington que a Marinha americana avaliava a possibilidade de enviar um porta-aviões e outras embarcações para a região para contribuir com a ajuda. Os EUA já ofereceram ao Haiti o uso de alguns helicópteros, disse o ministro do Interior haitiano, François Anick Joseph, que acrescentou que os danos a casas e plantações no país pobre foram aparentemente grandes.

“Ainda é muito cedo para fazer uma avaliação real, mas é muito sério”, afirmou Joseph, dizendo que estradas para o sul estavam bloqueadas, telefones não estavam funcionando, e o tempo impossibilitava sobrevoos.

LEIA TAMBÉM:
Venezuela diz que Macri e Temer buscam “destruir” o Mercosul
Presidente colombiano reabre diálogo de paz com as Farc

O “extremamente perigoso” furacão atingiu a cidade de Anglais por volta das 7h locais (8h de Brasília) com ventos máximos de 230 km/h, o que o coloca na categoria 4, de um total de 5 na escala Saffir-Simpson, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC, em inglês), com sede em Miami.

Mortes na República Dominicana

Quatro pessoas morreram na passagem do furacão pela República Dominicana, que divide com o Haiti a ilha de Hispaniola, no Caribe. O Centro de Operações de Emergências (COE) relatou 8.546 pessoas evacuadas na capital da República Dominicana, Santo Domingo, e em províncias fronteiriças com o Haiti.

Em Santo Domingo foram registradas fortes chuvas, com inundações nas cidades, e as autoridades suspenderam as aulas até quarta-feira em 24 das 32 províncias do país, como medida preventiva.

Diante da ameaça do furacão, 316.000 pessoas foram evacuadas por precaução na parte leste de Cuba, segundo a Defesa Civil.

(Com AFP e Reuters)