Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Funeral de bebê achado na rua atrai centenas na Escócia

Cerimônia ocorreu dois anos após a criança desconhecida ter sido encontrada morta. As autoridades não conseguiram identificá-la nem encontraram os seus pais

Dois anos após ter sido encontrado morto, enrolado em um cobertor, no meio de uma rua de Edimburgo, a capital da Escócia, um bebê que não foi identificado pelas autoridades foi enterrado nesta sexta-feira, atraindo aproximadamente 200 pessoas ao funeral. Estima-se que a criança tinha seis meses de idade quando morreu. Mesmo com os esforços das autoridades da cidade, a mãe não foi encontrada e o bebê acabou sepultado como indigente.

Em solidariedade à criança, estranhos se reuniram no cemitério de Seafield para honrar a sua memória. Eles trouxeram ursinhos de pelúcia, balões e rosas brancas para serem enterrados junto com o corpo da criança. O caixão era tão leve que pôde ser carregado por apenas um homem. No epitáfio foram escritos os dizeres “Conhecido por Deus. Precioso anjinho”. “Todo esse amor é incrível”, disse Margaret Halliday, uma voluntária de 65 anos que trabalha para a ONG que confeccionou as roupinhas que envolveram o corpo do bebê.

Leia também:

Criança de famoso meme da internet pede ajuda para salvar o pai

Pais de Madeleine vencem processo contra ex-chefe da polícia portuguesa

Enquanto o caixão era disposto dentro da cova, a ministra Erica Wishart disse aos presentes que “ressentíamos a perda do que poderia ter sido uma vida”. “Todos aqui estão sofrendo. Representamos todos dessa comunidade e de outros lugares que se sentiram profundamente tristes com o fato de que esse pequeno bebê nunca terá a chance de crescer e viver sua vida”, declarou a religiosa.

Ao jornal britânico The Guardian, a polícia informou que o bebê estava bem alimentado e parecia ter sido bem cuidado quando foi encontrado morto. As autoridades acreditam que a mãe abandonou a criança na esperança de que alguém a encontrasse rapidamente. Uma investigação seguirá em andamento para tentar identificar o bebê e a pessoa que o deixou desamparado na rua.

(Da redação)