Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

França oferece asilo a cristãos ameaçados por jihadistas no Iraque

Comunicado oficial assinado pelos ministros das Relações Exteriores e do Interior afirma que Paris está trabalhando para amenizar a situação dos fiéis

O governo da França condenou nesta segunda-feira as ameaças dos grupos jihadistas contra os cristãos no Iraque e se disse disposto a facilitar asilo para os iraquianos perseguidos pelos radicais fundamentalistas. “Ajudamos os deslocados que fogem das ameaças do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EILI) e se refugiaram no Curdistão. Estamos dispostos, se desejarem, a facilitar o abrigo em nosso território com o título de asilo”, disseram em comunicado conjunto os Ministérios das Relações Exteriores e do Interior.

Os ministros Laurent Fabius e Bernard Cazeneuve destacaram que o ultimato lançado pelo EIIL contra essas comunidades em Mosul “é o último exemplo trágico da terrível ameaça que pesa sobre eles no Iraque, mas também na Síria e em outros lugares onde são historicamente parte integrante da região”. A França “continuará nos próximos dias a mobilizar a comunidade internacional para que se garanta a proteção a essa população”, completaram os ministros no comunicado. Fabius e Cazeneuve também indicaram que receberão em breve representantes na França das comunidades cristãs no Iraque.

Leia também

Parlamento elege curdo como novo presidente do Iraque

Cristãos fogem de Mosul para não serem assassinados

Grupo terrorista paga salário de mais de 4 mil reais a jihadistas

O que é um califado?

É um Estado islâmico governado por um único líder político e religioso, o Califa.

Califas são considerados por seus seguidores como sucessores de Maomé e soberanos sobre todos os muçulmanos.

O primeiro califado surgiu depois da morte do profeta Maomé, no ano de 632.

Nos séculos que se seguiram, foram criados outros califados no Oriente Médio e no Norte da África.

O último califado foi abolido em 1924 pelo líder turco Kemal Ataturk, criador do Estado moderno turco, depois do colapso do Império Otomano.

Ultimato – Em 18 de julho os cristãos de Mosul, a segunda maior cidade do Iraque, fugiram em massa depois de o ultimato de três dias marcado pelos extremistas expirar. Ele determinava que se não renunciassem a sua religião e se convertessem ao islã deveriam abandonar a cidade.

Leia mais:

Sudanesa condenada à morte por se tornar cristã é recebida pelo papa

O primeiro-ministro iraquiano, Nouri al Maliki, condenou no início deste mês o tratamento dado aos cristãos e instruiu um comitê do governo a ajudar os desabrigados. No entanto, ele não disse quando o Exército poderia tentar reconquistar o controle de Mosul. O EIIL alertou todas as mulheres em Mosul a usar o véu que cobre todo o rosto, do contrário sofreriam uma punição severa. Os insurgentes sunitas, que declararam um califado em partes do Iraque e da Síria, também veem os xiitas majoritários do Iraque como infiéis que merecem ser mortos.

(Com agências Reuters e EFE)