Fracassa negociação entre EUA e Rússia para cessar-fogo na Síria

Obama e Putin têm reunião nesta segunda, à margem do G20, na China. Mas a questão sobre o cessar-fogo está fora da pauta de discussões

As negociações entre Estados Unidos e Rússia para conseguir um cessar-fogo que permita a entrada de mais ajuda humanitária na Síria fracassaram nesta segunda-feira, em Hangzhou, na China. De acordo com a rede CNN, fontes diplomáticas anunciaram que não foi possível chegar a um acordo, depois que o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, se reuniu no domingo e hoje com o ministro das Relações Exteriores russo, Sergey Lavrov. Os presidentes Barack Obama e Vladimir Putin, iniciaram uma reunião a portas fechadas em Hangzhou, mas é certo que ambos não devem falar sobre um possível acordo na Síria.

Parece frustrada, portanto, a possibilidade de que os dois países cheguem a um acordo antes que acabe a cúpula do G20, na China, depois de não conseguir em reuniões anteriores em Moscou, Washington e Genebra. Kerry já advertiu ontem que, embora tenha havido progressos consideráveis em importantes questões técnicas nas conversas com Lavrov, ainda ficaram faltando pelo menos duas questões complexas que podem vir a concordar com um cessar-fogo.

Leia também
Coreia do Norte ignora G20 na China e dispara mísseis na Ásia
Presidente chinês abre G20 e pede ‘novo caminho’ na economia
EUA e Rússia disputam autoria de ataque que matou porta-voz do EI

Embora nenhuma das duas partes queira confirmar quais são esses empecilhos, o Departamento de Estado americano informou recentemente que só apoiará um cessar-fogo nacional entre o Exército de Bashar Assad e os rebeldes, e não outro a curto prazo em alguns pontos do país.

De acordo com relatos de diplomatas que não quiseram se identificar, Obama foi “cauteloso e cético” ontem sobre a possibilidade de chegar a um acordo em Hangzhou, com a Rússia. Moscou é o principal aliado do regime de Assad e Washington está do lado das forças da oposição moderadas. Em cinco anos de conflito, a guerra civil síria deixou mais de 250.000 mortos e mais de 4 milhões de refugiados.

(Com agências EFE e Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Nelson Marchetto

    Enquanto “putin” não esquecer “lenin” e “stalin” será difícil negociar com a Russia ou qualquer país “tutelados” por ela!!!

    Curtir

  2. É uma pena que temos apenas informações vindas através da CNN americana. A Rússia entrou na guerra em setembro de 2015 desde então o Daesh só perdeu território. Fato que não acontecia antes mesmo com a coalizão de Obama contar contar com mais de 60 países. Na época já haviam 240 mil mortos. O que sustenta esta guerra é o financiamento americano a oposição para intervir na regime de outros países como polícia do mundo e derrubar o presidente sírio Assad.

    Curtir