Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fotos: a destruição após o terremoto no Irã

As impactantes imagens do tremor do mais mortal registrado no mundo em 2017 e o maior no país desde 2003

O terremoto de 7,3 graus na escala Richter que assolou parte do Irã na noite deste último domingo deixou mais de 530 pessoas mortas e 7.460 feridas, de acordo com os últimos números divulgados pela agência de notícias oficial do país. O tremor, que foi sentido em pelo menos quatorze províncias do país e também no Iraque e na Turquia, teve como epicentro a cidade iraquiana de Halabja, mas as principais áreas afetadas estão na região iraniana de Kermanshah.

(VEJA/VEJA)

O presidente iraniano Hassan Rohani visitou  nesta terça-feira a cidade de Kermanshah, capital da província homônima, onde garantiu a mobilização de recursos do governo para lidar com a questão e empréstimos para a reconstrução das casas na região. “Não há um iraniano que não esteja pensando hoje no povo de Kermanshah”, disse Rohani sobre a região, onde está concentrada parte da população curda iraniana. Teerã declarou luto nacional como homenagem às vítimas.

Milhares de pessoas se amontoam em acampamentos improvisados, enquanto outros passaram a segunda noite ao ar livre, com medo de mais tremores após 193 abalos secundários, informa a televisão iraniana. Nesta terça-feira, um novo terremoto de 4,3 graus atingiu a província de Lorestan, na fronteira com Kermanshah.  Fontes oficiais não deram informações sobre vítimas ou danos materiais causados pela atividade sísmica.

Rohani também esteve em Sarpol-e Zahab acompanhando os trabalhos de resgate e a limpeza dos destroços. O presidente iraniano disse que abrirá uma investigação para apurar o colapso das construções no local, que registrou mais de 230 mortes. A cidade abriga centenas de moradias populares construídas durante o governo de Mahmoud Ahmadinejad. De acordo com a agência Associated Pressassim que foram entregues, as obras foram alvo de críticas por sua fragilidade.

O terremoto na região de Kermanshah foi o mais mortal registrado neste ano em todo o mundo e o maior no país desde 2003, quando tremores na província de Kerman, deixaram 31.000 mortos. A maior catástrofe do tipo foi registrada em 2000. Na situação, 37.000 pessoas morreram no norte do Irã.