Filhos de Sakineh pedem asilo à Itália e ajuda ao Papa

Eles seriam perseguidos por fazer campanha contra a execução de sua mãe

Os dois filhos da iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani pediram nesta terça-feira asilo ao governo da Itália, informou a Agência Ansa. Sajjad e Saeideh Ghaderzadeh também solicitaram a intervenção do papa Bento XVI para a libertação de sua mãe, vítima da intolerância religiosa do Irã.

Os jovens dizem estar ameaçados por supostos agentes da república islâmica.

“Recebemos chamadas de pessoas que se apresentaram como agentes da inteligência e nos fizeram ameaças. Certa vez, fui convocado para comparecer a um escritório, mas eu não fui. Existe a possibilidade de nós sermos presos a qualquer momento”, disse Sajjad.

Segundo ele, o advogado responsável pelo caso, Javid Hutan Kian, corre o mesmo risco. “Ele foi convocado para comparecer à magistratura no próximo sábado e poderá ser preso ali mesmo”, afirmou. “Há uma semana, fizeram uma busca na casa do advogado Kian e levaram papéis, como já haviam feito no mês passado. Há 4 ou 5 dias, foram instaladas câmeras de circuito fechado fora do seu escritório.”

Os filhos de Sakineh também fizeram um apelo ao Vaticano. “Pedimos oficialmente ao papa para intervir para salvar nossa mãe”, afirmou Sajja à Ansa.

O caso – Sakineh Mohammadi Ashtiani, de 43 anos, foi condenada à morte por adultério. Sua sua sentença foi suspensa por causa da enorme repercussão internacional do assunto.

Em 28 de setembro, o procurador-geral do Irã, Ghomahossein Mohseni-Ejei, afirmou que a iraniana também é considerada culpada de cumplicidade no homicídio do marido e, por essa razão, pode ser enforcada.

(Com Agência Estado)