Fetullah Gülen, o inimigo preferido

Nesta rara entrevista, o clérigo islâmico que o governo turco acusa de golpista nega querer o poder e denuncia um expurgo político sem precedentes

Para Recep Erdogan, presidente da Turquia, Fetullah Gülen, líder do Hizmet (O Serviço, em turco), é o culpado pela tentativa de golpe de Estado que deixou 300 mortos em 15 de julho passado. O Hizmet é um movimento islâmico com atuação em mais de 180 países. Para os seguidores de Gülen, os gülenistas, esse senhor de pés inchados e voz baixa, que diz passar a maior parte do tempo entre orações e estudos religiosos, é um democrata que prega a modernização da Turquia. Aos 77 anos, Gülen resiste, nos Estados Unidos, a um pedido de extradição que, se concedido, resultaria em prisão perpétua acrescida de 1 900 anos, segundo exigem promotores turcos. Avesso a entrevistas, ele concordou em responder às perguntas de VEJA por escrito e depois recebeu a reportagem para uma rara conversa no seu retiro simples e bem cuidado, cercado por jardins e pequenos lagos, no interior da Pensilvânia, onde vive desde 1999. A seguir, sua entrevista.

VEJA International: Read this article in English

O senhor e seus seguidores estiveram envolvidos no golpe de julho? Enquanto a tentativa de golpe estava em progresso, eu a condenei fortemente. Considero traição à unidade de um país engajar-se em uma atividade que resultará na morte de seus cidadãos. Os envolvidos nesse evento horrível devem ser levados à Justiça. Mas, em vez de perseguir individualmente os oficiais responsáveis pela perda de vidas, Erdogan está indo atrás de um movimento social inteiro, encarcerando jornalistas, acadêmicos, funcionários civis e fechando hospitais e escolas.

Por que Erdogan o acusa diretamente de liderar a quartelada? Não é a primeira vez que ele faz isso. Quando ocorreram os protestos no Parque Gezi, em junho de 2013, ele pôs a culpa num certo “interesse lobista internacional”, em conjunto com o embaixador americano, e polarizou a sociedade para solidificar sua base eleitoral. Além disso, intimidou donos de meios de comunicação que não eram subservientes a ele. Em dezembro de 2013, quando vieram à tona evidências de corrupção em seu governo, Erdogan apontou o dedo para mim e para meus simpatizantes e aproveitou para subjugar o Judiciário. Agora, está usando a tentativa de golpe para deixar os militares sob seu comando. Com o objetivo de justificar o controle da mídia, do Judiciário e dos militares, Erdogan precisa de um inimigo, de um bode expiatório. Por isso está focando em mim e em meus simpatizantes. Metade da população na Turquia não votou em seu partido. Assim como na sociedade em geral, uma grande parcela do Judiciário, da burocracia estatal e dos militares é contrária ao seu governo autoritário. Ele reprime o Hizmet por motivos pragmáticos, até maquiavélicos. O mesmo método foi usado por líderes fascistas no passado para justificar o acúmulo de poder.

O senhor teme ser extraditado? Até o momento, não há sinal de que o governo americano pretenda atender ao pedido de extradição. Por outro lado, o governo turco está insistindo nisso e até inventou siglas e codinomes (Organização Terrorista Fetullah Gülen, por exemplo) para se referir ao nosso movimento. Parece- me que, ao culpar e acusar nosso movimento, o governo turco está tentando encobrir os próprios atos. Duas ou três delegações turcas já vieram aos Estados Unidos e afirmam ter entregado muitos documentos. Mas as pessoas que viram esses arquivos dizem que eles não fazem o menor sentido. São documentos confusos, sem lógica. Não creio que os Estados Unidos vão consentir numa exigência sem base em provas reais ou legalmente aceitáveis. Sei disso por declarações públicas do governo americano e também pelo que me contam meus advogados, que pediram para ver todos os documentos que a Turquia enviou. Recebo informações de várias fontes. Nenhuma delas, por si só, tem dados muito extensos, mas juntando tudo consigo pintar um quadro bastante completo da situação.

A disputa em torno da sua extradição pode se tornar um problema diplomático e geopolítico para os Estados Unidos? Acredito que o governo turco esteja blefando. Duvido que chegue a ponto de realmente fechar a base aérea de Incirlik ou outras bases americanas em seu território (usadas nos bombardeios contra o Estado Islâmico, na Síria) só por causa da recusa dos Estados Unidos em me extraditar.

Faz sentido a suspeita de que o próprio Erdogan teria armado um falso golpe de Estado? Assim como foi errado Erdogan me culpar apressadamente sem nenhuma evidência, seria um equívoco se eu o culpasse sem prova. Não sei quem planejou e tentou executar o golpe. Somente uma investigação apropriada, na qual as pessoas não temam a tortura, e um julgamento justo poderiam revelar os verdadeiros idealizadores e os participantes voluntários. Uma coisa está muito clara. As ações do governo de Erdogan após o golpe têm como objetivo expandir seus poderes, eliminar qualquer um que não seja um legalista, segundo a classificação do governo, e intimidar os grupos civis independentes da sociedade. Mesmo que Erdogan não tenha orquestrado o golpe, ele está tirando total vantagem do episódio para acumular mais poder e redesenhar as Forças Armadas, a última instituição que ainda resistia ao seu controle.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no iba clube.