Ferimentos de Saleh são graves e podem atrasar sua volta

Internado na Arábia Saudita, o ditador estaria com 40% de seu corpo queimado

O desejo do ditador do Iêmen de reassumir o poder em duas semanas pode não ser realizado. Isso porque, ao contrário do que afirmaram autoridades do governo na segunda-feira, Ali Abdullah Saleh não estaria se recuperando tão bem dos ferimentos sofridos durante o ataque contra o palácio presidencial na sexta-feira passada.

Saleh estaria com 40% do corpo queimado e um dos pulmões comprometido devido a uma ferida de sete centímetros de profundidade, informaram altos funcionários entrevistados nesta terça-feira pela rede americana CNN. As fontes, que pediram anonimato, puseram em dúvida se Saleh – que recebe tratamento médico na Arábia Saudita e cedeu seus poderes provisoriamente ao vice-presidente, Abderabu Mansur Hadi – poderá voltar a desempenhar seu cargo.

Acordo – Uma das fontes consultadas pela CNN comentou ainda que não acredita que os sauditas permitam que Saleh retorne ao Iêmen, e acrescentou que as autoridades de Riad devem pressioná-lo a aceitar a proposta do Conselho de Cooperação do Golfo, que prevê sua renúncia em troca de imunidade.

O ditador, que governa há 32 anos, chegou à base aérea Rei Khalid, na Arábia Saudita, no sábado e de lá foi conduzido a um hospital militar, onde permanece internado.

(Com agência EFE)