Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Família brasileira é encontrada esquartejada na Espanha

Nacionalidade das vítimas ainda não foi confirmada oficialmente, mas investigadores já disseram ter encontrado passaportes brasileiros no local

Quatro corpos esquartejados – dois adultos e duas crianças, um menino 5 anos e uma menina de 1 – foram encontrados neste domingo em uma casa alugada por uma família brasileira a cerca de 60 quilômetros de Madri, no povoado de Guadalajara. Investigadores afirmaram ao jornal espanhol El País que a Guarda Civil encontrou passaportes brasileiros no local – mas, oficialmente, a nacionalidade das vítimas não foi confirmada. Ainda segundo fontes da polícia, os corpos estavam há pelo menos um mês na residência.

Para confirmar a nacionalidade dos mortos as autoridades vão esperar pelo resultado dos exames de DNA. O Itamaraty também não foi acionado por ora. À agência de notícias France-Presse, o prefeito do povoado de Pioz, onde os corpos foram encontrados, Ricardo García López, disse que as vítimas são todas da mesma família.

Os vizinhos não viam a família brasileira desde o final de agosto e, segundo disseram à agência EFE, eles eram muito reservados e haviam se mudado para a casa em julho. Os corpos foram encontrados quando um vizinho alertou as autoridades locais para o forte odor proveniente da residência.

“As mortes foram rápidas, não há sinais de tortura”, afirmou um investigador ao jornal. “Trata-se de um trabalho executado por matadores profissionais, provavelmente com um cutelo ou um machado”, disse um investigador ao El País. Fontes ligadas à investigação também disseram à agência que o crime pode estar relacionado a um “acerto de contas”.

(Com agências EFE e France-Presse)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. maria aparecida ballestero

    Quer mais tortura que isso????tenha dó….

    Curtir

  2. Micky Oliver

    VEJA FDP! PUBLICA OS COMENTÁRIOS!

    Curtir

  3. Nossa, que triste vei, uma familia!

    Curtir

  4. Clara Eñelee Kornetz Alves

    Se mataram até as crianças, eram conhecidos da família e temiam ser identificados. E ainda tem quem defenda a liberação das drogas, como um certo ex-presidente brasileiro.

    Curtir