Explosão de bomba em mercado do Paquistão deixa 22 mortos e 60 feridos

O grupo islâmico sunita reivindicou a responsabilidade pelo ataque, que, segundo os autores, foi uma vingança pela morte de muçulmanos na Síria

Um atentado em um mercado de roupas deixou pelo menos 22 mortos e 60 feridos, neste domingo, na cidade de Parachinar, no Paquistão. Grande parte das vítimas fatais pertence à minoria xiita. Duas pessoas, que supostamente teriam envolvimento com o ataque, foram detidas pelas forças de segurança locais.

O braço internacional do grupo sectário sunita Lashkar-e-Jhangvi (de ideologia alinhada com a do Estado Islâmico), o LeJ al-Alami, reivindicou a autoria do atentado, garantindo se tratar de uma “vingança” pelos crimes contra os sírios, cometidos pelo governo de Bashar al Assad e pelo Irã. Em comunicado enviado para a imprensa local, um porta-voz do grupo afirmou que novas ações podem acontecer na cidade.

Os ataques contra a minoria xiita, que representa 20% da população do país, aumentou nos últimos anos no Paquistão. Parachinar é palco habitual de atos violentos por parte da insurgência local, que tenta transformar o país em uma teocracia sunita. O ataque deste domingo ocorre a três dias de completar um ano do massacre de 151 pessoas, entre elas 125 crianças, em um colégio administrado por militares em Peshawar — um ataque do principal grupo talibã do país, o Tehrik-i-Talibã Paquistão (TTP).

(Com EFE)