Exército tailandês distribui armas para voluntários

Aproximadamente 2.700 rifles de assalto foram entregues nos últimos dois meses para a população de vilarejos que combate insurgentes no sul do país

O Exército tailandês entregou cerca de 2.700 rifles de assalto nos dois últimos meses a voluntários que combatem insurgentes no sul do país. Vários grupos armados lutam por mais autonomia na região de maioria malaio-muçulmana. Desde o início do conflito, em 2004, cerca de 6.000 morreram. A distribuição de armamentos, no entanto, só vai agravar o conflito, alertam grupos de defesa dos direitos humanos. Ontem, duas pessoas foram mortas e três ficaram feridas após um atirador abrir fogo contra cinco pessoas na província de Pattani.

A maior parte dos rifles foi distribuída em vilarejos muçulmanos. O objetivo é ajudar na segurança dos voluntários civis, que são moradores locais, informou uma fonte oficial à agência France-Presse.”Eles precisam de armas para defesa própria. Eles não podem lutar com pedaços de pau. Elas vão para seguranças voluntários que estão em prefeituras provinciais ou escritórios distritais. Eles também protegerão governantes e chefes de distritos”.

Leia também:

Tailandeses usam gesto de ‘Jogos Vorazes’ para protestar

Tailândia: McDonald’s pede que oposição não use seu símbolo

Miss renuncia ao título depois de pedir execução de manifestantes

As conversas de paz com os grupos separatistas ficaram estagnadas diante da crise política que levou os militares ao poder. O Exército realizou um golpe de Estado e o general Prayuth Chan-ocha assumiu o cargo de primeiro-ministro. Ele prometeu acabar com o confronto até 2015, sem especificar como cumpriria a meta. Diversos governantes já se comprometeram a encerrar a crise na região, sem apresentar resultados nesse sentido, destacou a rede britânica BBC.

A estratégia de armar a população de vilarejos muçulmanos e budistas já se mostrou ineficaz anteriormente. Algumas armas caíram nas mãos dos insurgentes. Também houve casos de voluntários que abriram fogo contra civis desarmados.