EUA culpam Rússia por ataque a comboio humanitário na Síria

O Departamento de Estado, em comunicado, informa que tanto os russos como o regime de Assad "conheciam o destino do comboio, e mesmo assim o atacaram"

Os Estados Unidos responsabilizaram nesta terça-feira a Rússia pelo ataque contra um comboio humanitário na Síria e afirmaram que “repensarão” se continuarão cooperando com o governo russo. Para Washington, Moscou deve demonstrar “rapidamente” se ainda está comprometida com o acordo para um cessar-fogo no país árabe.

Um funcionário da Casa Branca, falando em condição de anonimato à imprensa americana, afirma “tem certeza” que o ataque foi um bombardeio executado pelas forças russas ou pelo regime sírio apoiado pelos russos. “Em qualquer caso, os russos têm a responsabilidade de não fazer esse tipo de ataque e de evitar que o regime sírio faça”, disse. “Temos claros indícios, não apenas os EUA, mas também a ONU e a Cruz Vermelha, que isto foi um ataque aéreo”.

Leia também
Síria declara fim de cessar-fogo de uma semana no país
Trégua na Síria termina nesta segunda e prorrogação é incerta
Conselho de Segurança se reúne após EUA atacar forças sírias

A ONU confirmou nesta segunda que houve um ataque contra um comboio humanitário na região de Urum al Kubra, no oeste da província de Alepo, mas disse que não possui o número exato das vítimas e também não se pronunciou sobre o possível responsável do fato. Segundo a ONG Observatório Sírio de Direitos Humanos, pelo menos 12 pessoas morreram no bombardeio, a maioria motoristas dos caminhões da caravana humanitária da ONU e um funcionário do Crescente Vermelho Síria.

O porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby, disse em comunicado que tanto o governo russo como o regime de Assad “conheciam o destino do comboio, e mesmo assim os trabalhadores humanitários foram assassinados”. “Os Estados Unidos vão tratar deste tema diretamente com a Rússia. Dada esta violação flagrante da cessação de hostilidades, nós vamos pensar nas perspectivas futuras de cooperação com a Rússia”, afirmou Kirby.

Os EUA apoiam grupos rebeldes que lutam para destituir o ditador Assad do poder. Já a Rússia é a o maior aliado das tropas do regime sírio, fieis a Assad. Em meio à guerra civil há ainda grupos jihadistas, como o Estado Islâmico, que promovem o terror na Síria. A guerra no país, que começou em 2011, deixou mais de 300.000 mortos e forçou o exílio de milhões de pessoas.

(Com agências EFE e Reuters)

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. AguiaDoLest3

    Hipócritas! Nem Rússia, nem ocidente estão interessado no fim do conflito

    Curtir

  2. Leonardo Costa

    Esses comboios de ajuda da ONU deveriam ser fiscalizados pelo exercito sírio ou russo porque a ONU não é confiável, pois só serve aos interesses do titio sam.
    Ainda mais comboio vindo da Turquia, que é um dos países que mais da ajuda aos terroristas. No meio de mantimentos certamente tem armas e essa ajuda foi enviada para as áreas controladas por terroristas. E essas ajudas estariam sendo enviada para essas regiões mensalmente.
    Pra mim esse cessar-fogo só serviu para os terroristas receberem mais armas de forma mais rápida e em grande quantidade. E um comboio com vários caminhões carregando mantimentos é a melhor forma de se fazer isso.

    Curtir