Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Estratégia equivocada de Putin na Ucrânia deve expor fragilidade russa

Forças militares russas não podem ser medidas tecnicamente com as ocidentais

A Rússia vem aumentando sua presença militar na região da Crimeia, enquanto países ocidentais deixam clara sua preocupação a respeito. Mas a investida na Ucrânia, que poderia ser uma demonstração de força, pode acabar ressaltando a fraqueza de Moscou, como apontou o colunista de política internacional do Washington Post, David Ignatius. Em artigo, ele afirma que “quanto mais a Rússia prossegue com dificuldade em sua estratégia revanchista, piores se tornam seus problemas”. O colunista faz referência à nostalgia da Rússia pelo passado soviético e à falta de entendimento de que “o centro de gravidade da ex-União Soviética mudou para o oeste”.

Caio Blinder:

Putin não tem bala para invadir o vizinho

Propaganda russa é subproduto do aparato dos tempos do comunismo

Ignatius adverte que o erro de cálculo de Putin ainda pode piorar o cenário, com as tropas russas sendo levadas mais para dentro da Ucrânia, preparando o terreno para uma guerra civil. “Esse é o tipo de erro que pode levar a consequências catastróficas”, escreveu o colunista, destacando que americanos e europeus devem interromper a violação russa à “ordem internacional” (leia a íntegra, em inglês).

O professor Evert Vedung, especialista em União Europeia e professor emérito de ciência política da Universidade de Uppsala, na Suécia, diz que o Kremlin não tem força para iniciar uma guerra com o Ocidente – que também não quer um conflito com a Rússia. “Nos últimos anos, Putin deu início a um considerável rearmamento das forças russas, mas esse rearmamento começou de um ponto muito baixo. As forças russas não podem ser medidas tecnicamente com as ocidentais. A Rússia não tem capacidade de iniciar uma guerra”, diz Vedung ao site de VEJA. (Continue lendo o texto)

Na avaliação do especialista, o pior que poderia ocorrer neste momento seria as tropas russas tentarem invadir a região da bacia de Donetsk, no extremo leste da Ucrânia. “Esta região é altamente industrializada. Foi muito importante nos tempos soviéticos para todo o país. [Uma invasão] aumentaria o risco de uma guerra aberta”, diz Vedung.

Nesta terça-feira, Putin concedeu uma entrevista coletiva em que cogitou o uso da força como “último recurso”. Mas o líder russo não deve dar um passo muito arriscado, avalia Tatiana Kastouéva-Jean, especialista em Rússia do Instituto Francês de relações internacionais. Em entrevista ao jornal Libération, ela disse que o presidente russo ocupa a Crimeia “para obter algo e assim poder negociar”. A especialista lembra que a Rússia foi contra a intervenção militar na Síria com base na defesa da soberania dos Estados. “Mudar de doutrina pela Crimeia colocará Putin em uma contradição que poderá se voltar contra ele no futuro.”

Leia mais:

‘A Rússia está do lado errado da história’, diz Obama

EUA ameaçam expulsar Rússia do G8 devido a crise na Ucrânia

Ações da Rússia ameaçam a paz na Europa, diz Otan

Tatiana também destacou fatores que levam o Kremlin a se dedicar tanto à questão da Ucrânia, como o temor de que o país fechasse um acordo com a União Europeia – que acabou sendo recusado pelo presidente deposto, Viktor Yanukovich, em novembro, dando início à crise. O acordo autorizaria, por exemplo, a passagem de mercadorias europeias para a Rússia através da Ucrânia, o que aumentaria a concorrência com os produtos russos (leia a entrevista na íntegra, em francês).

Em editorial, o jornal The New York Times ponderou que, apesar de haver muito a se criticar na forma como o governo ucraniano foi deposto, nada justifica a reação russa. “Os Estados Unidos e a União Europeia possuem poucos instrumentos eficazes além da força militar, que não é uma opção, para compelir o presidente Putin a recuar, mas eles devem deixar claro que ele ultrapassou muito os limites do comportamento civilizado, e que isso tem um alto preço para as relações econômicas e internacionais”.

Mapa da Crimeia

Mapa da Crimeia (VEJA)