Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Erdogan diz que povo da Turquia quer volta da pena de morte

Nesta segunda, a Justiça da Turquia ordenou a detenção de 42 jornalistas, entre eles repórteres, apresentadores de TV, colunistas e escritores

O povo da Turquia quer a volta da pena de morte e os que governam o país devem ouvir as pessoas, afirmou o presidente da Turquia, Tayyp Erdogan, apesar de autoridades europeias dizerem que tal medida poderia interromper imediatamente o processo de Ancara para a entrada na União Europeia (UE).

“O que o povo (turco) diz hoje?”, indagou Erdogan durante uma entrevista à TV alemã ARD, transmitida nesta segunda-feira. “Eles querem a reintrodução da pena de morte. E nós, como governo, devemos ouvir o que o povo diz. Não podemos dizer: ‘Não, isso não nos interessa'”.

LEIA MAIS:
Turquia suspende Convenção Europeia de Direitos Humanos
Erdogan defende pena de morte após tentativa de golpe
Pena de morte cessaria diálogo turco com a UE, alerta Alemanha

Mais cedo, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, declarou que a eventual adoção da pena de morte pararia imediatamente a tramitação do processo de ingresso da Turquia na UE.  O governo turco diz que deve avaliar a reintrodução da pena capital em resposta a pedidos de simpatizantes em atos públicos para que os líderes do golpe sejam executados.

Prisão de jornalistas

A Justiça da Turquia ordenou nesta segunda-feira a detenção de 42 jornalistas acusados de pertencerem a veículos de imprensa vinculados ao grupo de Fethullah Gülen, o teólogo exilado nos EUA que Ancara acusa de ser o cérebro do golpe militar fracassado do dia 15 de julho.

LEIA TAMBÉM:
Militares invadem estúdio da CNN na Turquia

Segundo a emissora CNN TURK, todos os alvos são jornalistas, entre eles repórteres, apresentadores de televisão, colunistas e escritores. Entre os que receberam a ordem, 11 estão fora da Turquia, afirma a emissora, sendo que oito deixaram o país após a tentativa de golpe.

Um dos jornalistas procurados pela Justiça é Nazli Ilicak, ex-deputada e conhecida colunista, e sua busca demandou uma ampla operação policial na cidade litorânea de Bodrum. Ilicak foi demitida do jornal pró-governo Sabah em 2013 por criticar o governo e defender a investigação anticorrupção promovida por promotores simpatizantes de Gülen.

A Anistia Internacional (AI) se referiu a estas detenções como um “ataque descarado à liberdade de imprensa”. “Ao invés de sufocar a liberdade de imprensa e intimidar os jornalistas, é vital que as autoridades turcas permitam aos veículos fazer seu trabalho e acabar com essa repressão draconiana da liberdade de expressão”, reivindicou.

No último ano, as autoridades turcas intervieram em vários jornais e emissoras de televisão gülenistas, onde impuseram administradores e demitiram parte da equipe para mudar a orientação política do meio.

(Com EFE e Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Cesar8002UTB

    Ditadorzinho vagabundo à moda do Maduro da Venezuela. Só que muito pior.

    Curtir