Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Entenda a complexa guerra que já matou 10 mil no Iêmen

Na prática, Irã (maior potência xiita da região) está travando uma guerra por procuração contra a Arábia Saudita (maior potência sunita)

Os Estados Unidos atingiram na madrugada desta quinta-feira com mísseis Tomahawk três postos de radar no Iêmen, na costa do mar Vermelho, controlados por rebeldes xiitas houthis. Segundo o Pentágono, a ação foi uma resposta a um ataque realizado dias antes contra um navio de guerra norte-americano que navegava pela região. Os disparos foram autorizados pessoalmente pelo presidente Barack Obama, sob recomendação do secretário de Defesa, Ash Carter.

Essa foi a primeira ação de fogo dos Estados Unidos na guerra civil no Iêmen, que já dura mais de um ano e meio e matou mais de 10.000 pessoas. Até agora, Washington havia se limitado a dar assistência logística à coalizão liderada pela Arábia Saudita contra os houthis, mas a entrada do poderoso Exército americano no conflito pode alterar o curso da guerra.

Entenda — O conflito atual no país árabe teve início nos primeiros meses de 2015, com uma insurreição dos houthis, iemenitas de orientação xiita, apoiada pelo Irã. Alegando serem vítimas de discriminação por parte do presidente sunita Abdo Rabbo Mansour Hadi, eles deflagraram uma revolta e tomaram parte do país, incluindo a capital Sanaa. [Entenda a divisão entre xiitas e sunitas na lista abaixo]

Leia também
Depois de atacados, EUA bombardeiam posições rebeldes no Iêmen
Iêmen: mísseis são lançados contra navio da Marinha americana
Arábia Saudita fica em posição difícil após matança no Iêmen

Isso motivou a reação das monarquias sunitas da Península Árabe, que, lideradas pela Arábia Saudita e com apoio dos EUA, formaram uma coalizão para combater os houthis. Desde então, o Iêmen convive com bombardeios quase diários e uma divisão que parece longe de ter fim. Na prática, Irã (maior potência xiita da região) está travando uma guerra por procuração contra a Arábia Saudita (maior potência sunita).

Para piorar, o país abriga uma das células mais ativas da Al Qaeda e vê o aumento da influência do grupo terrorista Estado Islâmico (EI). O primeiro ataque direto promovido pelo Pentágono pode agravar a situação, já que o Irã enviou dois navios de guerra ao Golfo de Áden após a ação da Marinha norte-americana.

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), a crise no Iêmen já fez mais de 180.000 pessoas deixarem o país, 51.000 delas fugindo para o vizinho Omã, e 39.000 para a Arábia Saudita.

Leia mais
A tragédia das crianças esqueléticas no Iêmen

Contudo, muitas também se arriscam a cruzar o Golfo de Áden com destino ao Chifre da África, principalmente Djibuti (36.000) e Somália (33.000). É dessa região que sai boa parte das pessoas que atravessam o Mediterrâneo rumo à Itália para pedir refúgio na Europa.

(Com ANSA)