Embaixador dos EUA na China renuncia por saída do Acordo de Paris

David Rank ocupava o cargo de forma temporária, à espera da chegada do novo embaixador indicado por Trump

O embaixador interino dos Estados Unidos na China, David Rank, renunciou ao seu cargo devido à decisão da Casa Branca de abandonar o Acordo de Paris sobre a mudança climática. Rank foi nomeado em janeiro de 2016 como número dois da missão diplomática chinesa e, após a chegada de Donald Trump à Casa Branca em janeiro deste ano, passou a exercer o cargo de embaixador interino.

O Departamento de Estado confirmou a aposentadoria de Rank, dizendo que foi uma “decisão pessoal”, mas fontes do órgão que falaram sob condição de anonimato à emissora americana CNN apontam a saída dos EUA do Acordo de Paris como a causa real.

Segundo o jornalista John Pomfret, editor do site chinês SupChina, Rank renunciou porque “não pode apoiar Trump sobre o tema clima” e estava decepcionado pela decisão presidencial de sair do acordo de Paris sobre mudanças climáticas.

David Rank era funcionário de carreira com 27 anos de experiência, em países como Afeganistão, Taiwan, Grécia e Ilhas Maurício. Atualmente ocupava o cargo de embaixador interino, à espera da chegada do novo embaixador indicado por Trump para a China, o ex-governador do Iowa Terry Branstad, que foi confirmado pelo Senado no mês passado.

(Com EFE e AFP)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paka Kaska Jr.

    ACORDO DE PARIS – é um movimento romântico que na realidade busca angariar dinheiro, muito dinheiro. A terra tem a sua data de validade estipulada com ou sem emissão de gases ou embalagens pláticas. Só uma medida seria efetiva pra dar alguma sobrevida ao planeta: a extinção da raça humana..!!

    Curtir

  2. fake news, o cara estava aposentando o novo embaixador já foi aprovado pelo SENADO e está embarcando…..que revistinha vagabunda

    Curtir

  3. Logo na China, o país mais poluidor no mundo! Países que não querem que outros países poluiem podem simplesmente barrar a importação de produtos fabricados com muita poluição. Para isso não há necessidade de farsas como o Rio92, Rio+20, Acordo de Paris, etc.

    Curtir