Em discurso, Obama chama americanos a trabalhar juntos

Sem demonstrar a mesma capacidade de eletrizar, presidente reeleito faz discurso trivial ao iniciar segundo mandato: “Nossa jornada não está completa”

Em seu discurso na cerimônia pública de posse para o segundo mandato, nesta segunda-feira, o presidente reeleito dos Estados Unidos, Barack Obama, citou os maiores desafios que o país terá pela frente, na economia, no meio ambiente, nos direitos civis, na política externa. E fez o óbvio: chamou os americanos para trabalhar juntos.

“Essa geração de americanos foi testada por crises que provaram nossa resistência. Uma década de guerra está agora acabando, uma recuperação econômica agora começou. As possibilidades da América são ilimitadas, porque temos todas as qualidades que este mundo requer: juventude e dinamismo; diversidade e abertura; uma infinita capacidade para o risco e um talento para a reinvenção. Nós fomos feitos para esse momento, e vamos aproveitá-lo, se aproveitarmos juntos. Porque nós entendemos que não podemos vencer quando só alguns vão bem.”

O discurso seguiu o juramento público de posse de Obama e do vice, Joe Biden, no Capitólio, sede do Congresso americano, na capital Washington. Obama, de 51 anos, jurou “preservar, proteger e defender” a Constituição no segundo mandato. O juramento foi feito diante do presidente da Suprema Corte, John Roberts. A primeira-dama Michelle segurou os dois exemplares da Bíblia sobre os quais Obama fez seu juramento, um deles que pertenceu ao presidente Abraham Lincoln e o outro, ao líder dos direitos civis dos negros Martin Luther King.

Caio Blinder: O segundo e último ato de Obama

Obama repetiu as palavras que pronunciou na Casa Branca no domingo, como exige a Constituição, que estipula que a presidência deve ter início ao meio-dia de 20 de janeiro após as eleições. Todas as vezes que este dia cai em um domingo, a tradição manda que o juramento também seja feito no dia seguinte perante a população americana. Antes de Obama, o vice, Joe Biden, foi empossado. As estimativas indicam que entre 600.000 e 800.000 pessoas acompanharam o evento. Há quatro anos, 1,8 milhão assistiram à cerimônia.

Direitos iguais – Ainda destacando a união e a igualdade entre os americanos, Obama defendeu o Obamacare, como ficou conhecido o programa que obriga todos os americanos a terem um seguro de saúde. “Nós não acreditamos que liberdade é para os privilegiados ou felicidade é só para poucos.” E, em uma referência ao vídeo que vazou durante a campanha republicana a Casa Branca, no qual Mitt Romney falava que 47% dos americanos dependem do governo, Obama afirmou que os programas sociais do país “não enfraquecem nossa iniciativa; eles nos fortalecem”.

Ele também citou como uma de suas prioridades a atenção ao meio ambiente – tema em que os Estados Unidos pouco avançaram durante o primeiro mandato de Obama. “Vamos responder à ameaça da mudança climática, sabendo que a falha em fazer isso seria uma traição às nossas crianças e gerações futuras”.

Sobre a Guerra do Afeganistão, disse que a paz e a segurança não exigem uma “guerra perpétua”. Acrescentou que os EUA estarão sempre vigilantes em relação a ameaças, mas também terão a coragem de resolver suas diferenças com outras nações por meios pacíficos. Afirmou ainda que vai continuar apoiando a democracia “da Ásia à África, das Américas ao Oriente Médio”.

Também mencionou o problema interno enfrentado pelo país, que encerrou 2012 com mais um caso de massacre em uma escola – desta vez, o assassinato de 20 crianças e seis adultos em uma escola de educação infantil em Newtown, Connecticut, por um jovem que invadiu o local fortemente armado. O caso levou Obama a entrar em mais uma queda de braço com o Congresso, a lançar um pacote com medidas para endurecer o controle de armas – iniciativas que devem enfrentar muitos obstáculos no Legislativo. “Nossa jornada não estará completa até que todas as nossas crianças, das cidades de Detroit aos montes Apalaches e às pacatas ruas de Newtown, saibam que eles são cuidados, e afagados, e sempre a salvo do perigo”.

Saiba mais:

Saiba mais: Economia é primeiro item da lista de desafios de Obama

Obama também defendeu grupos eleitorais que garantiram sua vitória nas eleições – as mulheres, os imigrantes e os homossexuais, dizendo que há muito a fazer para garantir os ideias de liberdade e igualdade dos EUA. “Nossa jornada não está completa até que nossas mulheres, mães e filhas possam ser compensadas igualmente pelo seu trabalho. Nossa jornada não está completa até que nossos irmãos e irmãs gays sejam tratados como qualquer outra pessoa pela lei”, disse Obama, acrescentando uma promessa de facilitar o acesso ao trabalho legal nos EUA aos imigrantes.

“Com esforço e objetivo em comum, com paixão e dedicação, vamos responder à chamada da história e levar a um futuro incerto aquela luz preciosa de liberdade”, encerrou Obama.

Depois do discurso, pela primeira vez um homossexual latino, Richard Blanco, recitou um poema na cerimônia de posse de um presidente.

Leia também:

Leia também: Em novo mandato, Obama elogia nova franja de Michelle