Economist: ‘Lula foi o maior perdedor de todos’ nas eleições

Revista britânica também destacou o alto índice de abstenções nas eleições municipais brasileiras

Na edição desta semana, a revista britânica The Economist dedicou uma reportagem às eleições municipais no Brasil. A publicação destacou o alto índice de abstenções. “Embora o voto seja obrigatório, quase um quinto dos eleitores não compareceu às urnas”, diz o artigo. A publicação ressalta que os brasileiros estão cansados dos políticos tradicionais, ao afirmar que “em muitos lugares, as abstenções e os votos brancos e nulos somam mais votos do que os obtidos pelos vencedores”.

A revista também salientou a grande derrota do Partido dos Trabalhadores (PT), sigla da ex-presidente Dilma Rousseff, afastada em agosto, que irá “lutar para recuperar sua antiga influência”. A Economist afirma que o PT perdeu cerca de dois terços das disputas para prefeito que havia vencido há quatro anos, incluindo São Paulo, e que será difícil para o partido emplacar um nome de peso na próxima eleição presidencial, em 2018.

LEIA TAMBÉM:
Teori inclui Lula no ‘quadrilhão’, maior inquérito da Lava Jato

Segundo a Economist, o clima antipolítico no país se deve tanto à recessão quanto ao escândalo da Petrobras, que afeta um novo político ou empresário a cada semana. “O porta-estandarte do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, um ex-presidente que já foi popular, foi acusado de corrupção”, diz a publicação britânica.

Para exemplificar a aversão dos brasileiros aos políticos, a revista destaca  que os candidatos à prefeitura de Belo Horizonte são um ex-goleiro e um ex-presidente de um clube de futebol (Atlético Mineiro), e que João Doria, “o primeiro a vencer no primeiro turno” em São Paulo, é um empresário e novato na política.

Por fim, a Economist afirma que o resultado das eleições municipais é uma boa notícia para o “impopular presidente Michel Temer”, pois enfraquece a tese petista de que Dilma foi vítima de um golpe, além de o PMDB, partido do presidente, ter se mantido como uma força na política brasileira, apesar de estar envolvido no escândalo do petrolão.

“É difícil vislumbrar um retorno do PT”, finaliza o texto. “Lula, que esperava concorrer à Presidência apesar das acusações e da idade (70), se tornou tóxico para muitos de seus colegas petistas (…) Em uma competição de perdedores, ele foi o maior perdedor de todos”.

Jornal The Economist fala sobre as eleições municipais brasileiras

Jornal The Economist fala sobre as eleições municipais brasileiras (The Economist/Reprodução)

 

 

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. housekeeping

    na foto o Lula fazendo pôse na votação; onde é que esse hóme tá com a cabeça? enterrado até o pescoço e fazendo pôse.

    Curtir

  2. Muitos não votaram, ótimo, mas o pior é muitos que venderam os seus votos, ou seja no Brasil há mais corruptos nas ruas do que no antro da politica. Precisamos combater a corrupção no meio do povo, só faltava essa!

    Curtir

  3. Democrata Cristão

    Com o advento do Lula no poder o maior perdedor foi o povo brasileiro.

    Curtir

  4. José Carlos Lopes de Oliveira

    Aguardo ansioso a prisão desse larápio. A Justiça tem obrigação de oferecer isso a essa nação.

    Curtir

  5. Luiz Renato Fogagnolo

    Ele merece ser lembrado como o maior ladrão da história da república, NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESTE PAÍS

    Curtir

  6. Marli Wayand de Sa Marques

    Se deixarem o LULA ganha fácil em 2018

    Curtir