Dobra número de presos políticos em Cuba

A oposição denunciou o regime de Raul Castro por realizar 467 detenções arbitrárias em abril e manter 140 presos políticos

A Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional (CCDHRN), uma organização dissidente do governo de Raúl Castro, denunciou que ocorreram 467 detenções arbitrárias por motivos políticos em abril. O total de presos condenados por razões políticas dobrou em um ano e passou de 70 para 140.

Fundada há 20 anos por um grupo de ex-presos políticos e outros opositores ao governo de Cuba, a organização divulga relatórios mensais em que contabiliza dados sobre a repressão no país. Elizardo Sánchez, porta-voz da CCDHRN, aponta uma mudança na forma de enfrentamento do governo. “A repressão política está mais difundida por todo o país. Mas está mais seletiva e menos ‘barulhenta’. O regime de Raúl Castro utiliza, cada vez mais, a repressão preventiva na forma de ameaças da polícia e outros atos sistemáticos de intimidação”, afirmou.

No relatório, o grupo denuncia também que entre as práticas do governo contra a oposição estão proibições de viagens nacionais e internacionais,  buscas domiciliares, confiscos arbitrários de materiais, meios de trabalho e dinheiro.

Primeiro de Maio

Durante as celebrações do Dia do Trabalho, na última segunda-feira, um manifestante burlou o forte esquema de segurança do maior evento anual político de Cuba e brandiu uma bandeira dos Estados Unidos em frente ao presidente Raúl Castro.

A repressão ao protesto foi imediata. Sem inibir-se pela presença da imprensa, oficiais arrastaram Daniel Llorente Miranda, de 57 anos, e um deles o atingiu no rosto. O paradeiro de Miranda permaneceu desconhecido por alguns dias até que seu filho, Eliécer Llorente, de 17 años, denunciou a veículos independentes que as autoridades cubanas se recusavam a passar informações sobre onde ele estaria detido. Miranda segue preso e será julgado por desordem pública e resistência. 

Próximo presidente

O protesto solitário ganhou força simbólica por ser o último em que Castro deve participar como comandante de Cuba. Em fevereiro, Castro declarou que vai afastar-se da presidência no próximo ano, apesar de não ter dado qualquer informação sobre o processo de sucessão.

O vice-presidente Miguel Díaz-Canel é apontado por especialistas como o mais provável sucessor, especialmente depois que a filha de Castro, Mariela, declarou, na semana passada, que não pretende se candidatar.

“Os homens e mulheres do povo de Cuba são candidatos”, disse Mariela a repórteres. “Eu não digo: ‘Nós somos’, porque nunca me deixarei ser indicada para tal grande tarefa”.

A concorrência com Díaz-Canel deve ficar a cargo do ministro das Relações Exteriores, Alejandro Castro Espín, também filho do atual presidente e um de seus assessores mais próximos.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Graças aos nossos militares hoje não estamos na mesma situação. Mas os verdadeiros adoradores de ditaduras, as vermelhas, não se dão por vencidos….

    Curtir

  2. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    Essa América Latina me dá nojo.

    Curtir

  3. Fábio Luís Inaimo

    Se lá fosse bom mesmo, o povo tava fugindo pra lá, não fugindo de lá !

    Curtir