Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dinamarca tira do ar desenho para incentivar jovens a votar

População ficou ofendida com cenas de agressão e de conotação sexual

O Parlamento da Dinamarca teve de voltar atrás no projeto de veicular um desenho animado para incentivar os jovens a votar nas eleições do legislativo europeu, marcadas para o dia 25. As reclamações com as cenas com conotação sexual e agressão forçaram os políticos a retirar o vídeo do ar, com direito a um pedido de desculpas à população.

Leia também:

UE desenvolvida é a melhor resposta a eurocéticos

​Milhares marcham em Paris e Roma contra medidas de austeridade

No início do desenho, um brutamontes chamado “Voteman” arranca a cabeça de um homem que desdenha das urnas. O roteiro, então, mostra o personagem em uma ilha deserta, onde participa de uma orgia com mulheres antes de ser acionado para a missão de convencer outros eleitores a participar do pleito. O protagonista utiliza como método de convencimento socos e tapas nos desinteressados e, em uma cena, atira pela janela um casal que estava debaixo dos cobertores.

As justificativas para a postura do “Voteman” são apresentadas pelo narrador do vídeo, que conta a história do personagem nos mesmos moldes dos trailers hollywoodianos. Ele explica que deixou de comparecer à votação anterior e teve como lição “não ter influência nas regulações climáticas, subsídios para a agricultura, inserção de agentes químicos em brinquedos e na quantidade de canela que o seu pãozinho doce de canela trazia”.

Mogens Lykketoft, porta-voz do Parlamento da Dinamarca, afirmou em um comunicado em sua página no Facebook que muitas pessoas interpretaram o desenho de uma forma mais séria e ofensiva do que seu propósito. “As reações nas redes sociais estão divididas entre aqueles que viram o desenho como vulgar e inaceitável, e aqueles que enxergaram o vídeo como uma tentativa humorística de promover as eleições. A última foi a nossa intenção. Mas o Parlamento, como uma instituição, deverá ter mais cuidado no futuro com o material ao qual ligamos nosso nome”, disse Lykketoft, segundo a rede americana CNN.

Confira abaixo o controverso vídeo veiculado pelo governo dinamarquês: