Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Deputado chavista: Leopoldo López será acusado por 43 homicídios

Segundo Diosdado Cabello, familiares das 43 vítimas dos protestos de 2014 pediram à Justiça que o deputado seja julgado pelos crimes

deputado e ex-presidente do Parlamento venezuelano Diosdado Cabello anunciou em seu programa televisivo que os familiares das 43 pessoas que morreram durante os violentos protestos realizados em 2014 na Venezuela pediram à Justiça local que Leopoldo López, um dos apoiadores das manifestações e líder da oposição no país, seja julgado pelo homicídio de seus parentes.

“Os familiares das vítimas introduziram ou estão por introduzir uma demanda aos tribunais para que o acusem de homicídio pelas 43 mortes que esse assassino causou”, afirmou Cabello. No entanto, as famílias das vítimas ainda não se pronunciaram sobre o assunto e o governo venezuelano também não confirmou a informação oficialmente.

LEIA MAIS:
Fotos mostram opositor Leopoldo López em prisão militar
Opositor preso responderá por conspiração, mas não terrorismo
Opositor denuncia Maduro na Justiça por mortes em protestos

As manifestações citadas pelo deputado tiveram início no dia 12 de fevereiro de 2014 e duraram até junho do mesmo ano. Os vários atos de violência desencadeados pelo confronto entre os protestantes e as tropas armadas do governo levaram à morte de 43 cidadãos venezuelanos. Os manifestantes se queixavam da elevação brusca dos preços de alimentos e remédios e da escassez de produtos básicos e pediam a renúncia de Maduro ao cargo de presidente.

Após o fim das agitações nas ruas, López foi acusado de conspiração política, incitação pública, danos contra a propriedade e por iniciar um incêndio. Ele foi sentenciado a 14 anos de prisão e está isolado em uma prisão militar desde então.

O partido de Leopoldo López, o MUD (Mesa de Unidade Democrática), defende que o processo judicial é injusto e que o deputado não passa de um preso político do governo de Maduro. Apesar da Assembleia Nacional da Venezuela – onde a oposição tem a maioria dos assentos parlamentares – ter aprovado uma lei de amnistia contra presos políticos, o governo tem impedido a sua aplicação.