Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cruzeiro à deriva em águas das Filipinas é consertado

Manila, 1 abr (EFE).- O cruzeiro com mais de 1 mil pessoas a bordo navega neste domingo em direção à Malásia, após passar cerca de 24h à deriva por causa de um incêndio nos motores.

Conforme a Guarda Costeira filipina, cinco tripulantes do cruzeiro Azamara Quest, que navegava pelo Mar de Jolo entre Manila e a cidade de Sandakan, na Malásia, ficaram feridos pela inalação de fumaça durante o incêndio.

O porta-voz da Guarda Costeira, Alger Ricafrente, indicou à Agência Efe que o ferido mais grave, Juan Carlos Rivera Escobar, é guatemalteco.

Rivera Escobar, assim como os outros quatro feridos, são membros da tripulação que inalaram fumaça durante o combate ao fogo no cruzeiro.

O guatemalteco foi especialmente afetado e precisa de tratamento médico de forma urgente porque respirou muita fumaça e ficou exposto a altas temperaturas mais tempo do que os demais.

‘Infelizmente cinco tripulantes inalaram fumaça no incêndio. Todos estão sendo tratados no centro de saúde do navio’, indicou a empresa em comunicado sem citar as nacionalidades dos demais afetados.

‘A condição do tripulante ferido de forma mais severa melhorou, mas continua sendo grave’, acrescentou Azamara Club Cruises, companhia proprietário do navio.

Após o conserto no sábado à noite, o navio segue a uma velocidade máxima de seis nós (11 km/h) em direção ao porto de Sandakan, no estado malaio de Sabah, depois de partir de Manila na quinta-feira passada.

A empresa proprietária do navio estima que a embarcação, de 30.277 toneladas, chegará ao destino em um prazo entre 24h e 48h, dependendo das condições do mar.

O fogo ocorreu na sexta-feira à noite na sala de máquinas do cruzeiro, no qual viajam 590 turistas, a maioria de europeus e americanos e 411 tripulantes.

O Azamara Quest partiu em 26 de março de Hong Kong e tinha previsto chegar a Cingapura em 12 de abril, após parar em Manila, Sandakan e nos portos indonésios de Palapo, Benoa em Bali, Semarang e Komodo. EFE