Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Copiloto da Germanwings teria problemas de visão

Fonte familiarizada com a investigação sobre a tragédia diz que ainda não se sabe qual a gravidade das dificuldades oftalmológicas de Andreas Lubitz. Pai está ‘arrasado’, afirma prefeito

Andreas Lubitz, o copiloto que, segundo as investigações, agiu deliberadamente para derrubar um avião da Germanwings com 150 pessoas a bordo na última terça-feira, pode ter sido identificado com problemas de visão que afetariam sua capacidade de voar.

Uma pessoa familiarizada com a investigação disse que ainda não está claro se as dificuldades de Lubitz eram graves a ponto de os médicos o considerarem inapto para voar. O que se sabe é que ele consultou um oftalmologista na Clínica Universitária em Düsseldorf nos dias que antecederam a tragédia.

Leia mais:

Farei algo e saberão meu nome, disse copiloto, segundo ex-namorada​

Tragédia eleva preocupação com avaliação psicológica de pilotos

Foram descobertas também evidências no apartamento de Lubitz em Düsseldorf, e na casa de seus pais, em Montabaur, que indicam que ele estava em tratamento psicológico.

A Clínica Universitária informou ontem que Lubitz fez a sua primeira consulta em fevereiro e seu último exame no dia 10 de março. O hospital informou que o arquivo médico do copiloto seria encaminhado aos investigadores.

Um porta-voz do hospital se recusou a comentar o teor dos exames de Lubitz, citando as leis que garantem a privacidade em relação às informações de pacientes.

Pai está ‘arrasado’ – O pai do copiloto está “completamente arrasado”, de acordo com o prefeito da cidade francesa de Prads-Haute-Bléone, Bernard Bartolini. “Ele sente sobre ele toda a responsabilidade do drama e atravessa uma angústia incrível”, disse o prefeito neste sábado à emissora francesa BFM TV.

Na última quinta, o pai de Lubitz participou de uma cerimônia em homenagem às vítimas da queda do voo 4U9525 na cidade francesa de Le Vernet, com alguns membros da tripulação, sem se misturar aos parentes dos passageiros. Segundo Bartolini, “não há palavras para expressar” o estado em que ele estava.

(Com Estadão Conteúdo)