Conservadores espanhois buscam frustrar independentismo catalão

Sem maioria parlamentar, Partido Popular propõe coalizão parlamentar com socialistas, tradicionais adversários

Os espanhóis assistem neste domingo a movimentações no tabuleiro político do país em torno da independência da Catalunha. Enquanto o novo candidato a presidente catalão, Carles Puigdemont, disse hoje que a missão de seu governo será iniciar um processo de secessão na Catalunha, cujo parlamento tem maioria separatista, o conservador Partido Popular (PP) da Espanha reiterou sua oferta para formar uma “grande coalizão” com seus tradicionais adversários socialistas. A medida seria uma forma de quebrar o impasse que resultou de uma inconclusiva eleição nacional no mês passado e frustrar os separatistas catalães.

“Precisamos iniciar o processo para constituir um Estado independente na Catalunha, que as decisões do parlamento da Catalunha sejam soberanas”, disse em seu discurso de posse Puigdemont.

“Este não é um projeto dos político, não é sequer um projeto coletivo, é um projeto em comunhão com a grande maioria das pessoas”, acrescentou o candidato no parlamento regional, onde, em suas portas, reuniram-se dezenas de independentistas.

LEIA TAMBÉM:

PP vence eleições na Espanha sem conseguir maioria

Rajoy enfrenta desafio para formar governo na Espanha

Prefeito de Girona desde 2011, Puigdemont foi designado como novo líder por Artur Mas, forçado ontem a renunciar para facilitar um acordo de governo com a esquerda radical independentista, que rejeitava a sua reeleição.

Essa decisão permitiu um acordo entre a coalizão independentista Juntos por el Sí, que conta com 62 deputados, com formações de esquerda e direita, e a Candidatura da Unidad Popular, que dispõem de 10 deputados. Somada, a coalizão tem maioria absoluta no parlamento Catalão, com 72 assentos de 135, e agora pretende retomar o processo de secessão que lançou em uma contundente declaração parlamentar no dia 9 de novembro. Neste dia, os independentistas se disseram insubmissos às instituições espanholas, em especial ao Tribunal Constitucional, que semanas depois declarou o texto ilegal.

A Espanha tem se mantido no limbo político desde a eleição de 20 de dezembro em que o PP, que governou a Espanha nos últimos quatro anos, ganhou a maioria dos assentos, mas perdeu sua maioria parlamentar absoluta. Pressionado pelo resultado eleitoral e os últimos acontecimentos na Catalunha, o PP procura uma aliança com os socialistas. O membro sênior do PP Fernando Martinez Maillo disse neste domingo que uma grande coalizão com mais de 200 parlamentares seria a melhor resposta ao que ele chamou de desafio à soberania de Espanha.

(com Reuters e Agência France Presse)