Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Conselho de Segurança aprova missão ONU-Opaq na Síria

Equipe conjunta supervisiona destruição do arsenal químico do país. Nesta sexta, Opaq foi anunciada ganhadora do Prêmio Nobel da Paz

O Conselho de Segurança aprovou formalmente nesta sexta-feira a criação de uma missão conjunta da ONU com a Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) para supervisionar a destruição do arsenal químico da Síria e das instalações de produção desse tipo de armamento no país. A Opaq, uma organização independente que atua em parceria com as Nações Unidas, foi anunciada nesta sexta como ganhadora do Prêmio Nobel da Paz.

Infográficos

Cronologia: o emprego de armas químicas e os esforços para bani-las

Conheça os principais ataques com armas químicas empreendidos ao longo da história e as tentativas de bani-las do front

A missão conjunta vai destacar até cem especialistas para a operação, aprovada em resolução do Conselho de Segurança no final de setembro. Os trabalhos devem ser concluídos até 30 de junho do ano que vem. Um grupo de especialistas das duas organizações já está na Síria desde o início deste mês, supervisionando a destruição do material em meio ao conflito que assola o país.

Leia também:

Opaq pede trégua na Síria para garantir destruição de arsenal químico

Na Síria não há guerra civil, mas ‘guerra contra o terror’, diz chanceler

As duas organizações afirmam que a equipe conseguiu “bons progressos” desde o início das operações. “Ao final dos primeiros dez dias de trabalho as equipes inspecionaram três locais”, informaram a ONU e a Opaq, em comunicado conjunto. Um segundo grupo de inspetores da Opaq e uma equipe de apoio da ONU chegaram nesta sexta a Damasco, levando o número total de especialistas a sessenta.

“Nós temos um prazo muito apertado, mas as Nações Unidas estão comprometidas a trabalhar junto com a Opaq para realizar o trabalho”, disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

Leia mais:

Chefe da Opaq espera que Nobel inspire novos tratados pelo fim das armas

Emprego de armas químicas rompe marco civilizatório

A resolução para destruição do arsenal químico da Síria foi aprovada após negociações entre Estados Unidos e Rússia, que deixaram fora do texto a hipótese de uma ação punitiva automática contra o regime Bashar Assad em caso de descumprimento das exigências.