Congressista americano renuncia depois de escândalo sexual

David Wu é acusado de ter abusado sexualmente de uma jovem de 18 anos

O congressista democrata David Wu anunciou nesta terça-feira que renunciará ao cargo na Câmara de Representantes dos Estados Unidos depois que sua imagem pública foi abalada por acusações de abuso sexual contra uma jovem.

Wu, que fez história em 1999 ao se tornar o primeiro americano de origem chinesa eleito para o Congresso, decidiu apresentar sua renúncia um dia após a líder da minoria democrata na Câmara, Nancy Pelosi, pedir ao Comitê de Ética uma investigação sobre seu caso.

“Com grande tristeza, pretendo renunciar assim que se resolver a crise do teto da dívida. Esta é a decisão correta para minha família, para a instituição da Câmara de Representantes, e para meus companheiros”, destacou Wu em comunicado divulgado por seu escritório.

Na última sexta-feira, o jornal The Oregonian revelou que uma jovem de 18 anos, filha de um colega de Wu, foi ao escritório do congressista para acusá-lo de tê-la obrigado a “manter um encontro sexual” no dia de Ações de Graças, em novembro passado.

Esse não é o primeiro constrangimento público de Wu. Em janeiro, sete empregados de sua equipe se demitiram após o congressista enviar a um de seus colegas uma foto na qual aparece fantasiado de tigre. Wu se desculpou afirmando que estava passando por um momento de crise após ter se separado de sua mulher.

O ainda representante do estado americano de Oregon de 56 anos tem dois filhos e está se divorciando da mulher. Ele admite ter tido um encontro sexual com a jovem que o acusa de abuso sexual, mas garante que a relação foi consensual. Ele é o segundo congressista democrata em poucas semanas a renunciar a seu cargo por um escândalo sexual. O primeiro foi Anthony Weiner, que divulgou uma foto uma foto “íntima” sua no Twittter em maio e acabou renunciando ao seu cargo em junho.

(Com agência EFE e France-Presse)