Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Colômbia vota hoje em plebiscito de acordo de paz com as Farc

Resultado deve ser conhecido ainda neste domingo

Os colombianos votam neste domingo para um plebiscito que decidirá se a população respalda um acordo de paz para que a guerrilha Farc largue as armas e se converta em um partido político, ou se prolongam o conflito que já dura 52 anos. Com o “sim” ou o “não”, os eleitores terão a última palavra sobre o histórico acordo firmado entre o presidente, Juan Manuel Santos, e o líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, Rodrigo Londoño, conhecido como “Timochenko”, para terminar o confronto que já deixou cerca de 220 mil mortos. A eleição será encerrada às 16h local (18h de Brasília) e o resultado deve ser conhecido uma hora depois.

Para o presidente, o plebiscito, o primeiro desde 1957, é a decisão política mais importante da história recente para a conservadora sociedade da Colômbia, dividida pelo acordo com uma organização que tem no passado crimes como assassinatos, sequestros e diversos ataques.

O pacto, que coloca Santos e Londoño como candidatos ao Prêmio Nobel da Paz, estabelece que as Farc deixarão as armas e suas trincheiras para batalhar pelos seus ideais por meio da luta política, e cria uma instância judicial especial para julgá-las. Além disso, há também subsídios para que os guerrilheiros se reintegrem à sociedade e indenizações para as vítimas do conflito.

De acordo com pesquisas, o “sim” ganhará, mas um grande setor da sociedade, liderado pelo ex-presidente Álvaro Uribe, rejeita o acordo por considerar que os chefes guerrilheiros devem ser presos pelos crimes cometidos, em vez de obter cargos eletivos por votação popular.

Redes sociais

O referendo rendeu 2.261.472 menções no Twitter, Facebook e Instagram entre os dias 17 de junho e 30 de setembro, revelou neste domingo a ONG Missão de Observação Eleitoral (MOE). “Cerca de 30% de todas as conversas sobre a paz em redes sociais (7.467.055) foram especificamente sobre o referendo (2.261.472)”, indicou a MOE em comunicado que detalhou o dados de um estudo sobre a votação de hoje.

LEIA TAMBÉM:
As 10 cidades mais visitadas em 2016
Papa denuncia ‘guerra mundial’ contra o casamento

A avaliação determinou que, do total de conversas, 83% teve uma “linguagem totalmente neutra sem maiores cargas emocionais por parte do usuário”. Por outro lado, em 10% delas se impôs uma linguagem de esperança, tolerância, otimismo e nos outros 7% “de ódio, intolerância e ofensa”.

 

(com Reuters e Agência EFE)