Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Chávez irá à Cúpula das Américas, e Obama chegará na 6ª feira a Cartagena

Cartagena (Colômbia), 10 abr (EFE).- O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, vai participar da Cúpula das Américas, embora provavelmente por poucas horas, e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, chegará na sexta-feira, uma dia antes do encontro, informou nesta terça-feira o governo da Colômbia.

‘A informação que temos é que sim, (Chávez) virá, muito seguramente não vai dormir em Cartagena, (…) é muito complicado pelo tratamento que faz (contra o câncer), mas até agora está confirmada sua presença’, afirmou a chanceler colombiana, María Ángela Holguín, em entrevista coletiva.

Holguín comemorou o fato de Obama participar na sexta-feira de um jantar com empresários e chefes de Estado e Governo na véspera da cúpula.

Após sua primeira noite em Cartagena, o presidente americano participará no sábado da Cúpula Empresarial e fará parte de um painel com o chefe de Governo colombiano, Juan Manuel Santos, e a presidente Dilma Rousseff.

Assim que terminar o encontro empresarial, o trio se juntará aos demais líderes para dar o início formal ao encontro.

A ministra colombiana afirmou que Santos terá reuniões bilaterais com Dilma e Obama, como estava previsto, e se reunirá em particular com os presidentes de Peru, Ollanta Humala, e Paraguai, Fernando Lugo, assim como com o primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper.

O primeiro presidente a chegar a Cartagena será o do Chile, Sebastián Piñera, cujo embarque está previsto para a noite de quarta-feira.

‘Santos tinha convidado Piñera para que conhecesse Cartagena, e estava planejando levá-lo na quinta-feira a Sierra Nevada de Santa Marta e as praias da região’, afirmou Holguín.

O único convidado que não vai participar é o presidente do Equador, Rafael Correa, em protesto por Cuba não ter sido chamada.

Antes da cúpula, haverá em Cartagena várias reuniões setoriais, como o Fórum Social que hoje será aberto pelo secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza. EFE