Boko Haram mata ao menos cem em massacre na Nigéria

Grupo terrorista atacou a cidade de Baga, atirando em civis e queimando casas

Terroristas do grupo nigeriano Boko Haram mataram pelo menos cem pessoas e incendiaram casas na cidade de Baga, no nordeste do país, em uma nova onda de ataques contra civis. A região está desprotegida desde que soldados fugiram de Baga no último fim de semana após os jihadistas conquistarem uma base militar perto da cidade, localizada no estado de Borno.

Leia também:

Boko Haram sequestra 185 mulheres e crianças

Ataque contra mesquita na Nigéria mata 100 pessoas

Segundo relatos de sobreviventes, os extremistas islâmicos começaram a atirar indiscriminadamente na população e a queimar construções no fim da terça-feira, em um massacre que se estendeu até a quarta. “Eu escapei de carro com a minha família depois de ver como o Boko Haram estava matando as pessoas. Eu vi corpos nas ruas. Crianças, mulheres, alguns gritando por socorro”, disse o nigeriano Mohamed Bukar, após fugir para a capital regional Maiduguri.

O chefe do distrito de Baga, Abba Hassan, disse nesta quinta-feira que pelo menos cem pessoas haviam sido mortas desde que o grupo assumiu o controle da cidade no fim de semana. Relatos de testemunhas, no entanto, indicam que o número de vítimas pode ser muito maior, na casa de centenas. Outro sobrevivente, Abubakar Gulama, que fugiu de Baga com a família, declarou ter passado por dezenas corpos no chão e que “toda a cidade pegava fogo”.

Histórico – O Boko Haram, que significa em línguas locais “a educação não islâmica é pecado”, luta para instituir um califado islâmico na Nigéria. O grupo terrorista é visto como a maior ameaça para o país, que tem a maior economia da África, e um problema para o presidente Goodluck Jonathan, que tentará a reeleição em pleito que será realizado em 14 de fevereiro. Desde que a polícia matou, em 2009, o então líder e fundador do grupo, os radicais mantêm uma sangrenta campanha terrorista. Apenas em 2014, o grupo islamita assassinou cerca de 3.000 pessoas e mais de 12.000 desde 2009, segundo os cálculos do governo nigeriano.

(Com agência Reuters)