Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Amal Clooney vai ao Egito defender jornalista da Al Jazeera

A advogada especializada em direitos humanos Amal Clooney, hoje mais conhecida como a mulher do ator George Clooney, foi ao Cairo neste sábado acompanhar uma sessão do julgamento de seu cliente Mohammed Fahmi, jornalista da Al Jazeera acusado de divulgar notícias falsas e trabalhar sem as autorizações necessárias em 2013. Fahmy, que possui nacionalidade canadense, foi condenado junto a outros dois jornalistas da emissora catari, o australiano Peter Greste e o egípcio Baher Mohamed. Todos pegaram três anos de prisão, mas Fhamy levou seis meses a mais pela posse de uma bala de pistola que ele encontrou durante uma manifestação. Os jornalistas já passaram mais de 400 dias na prisão e recuperaram a liberdade no começo do novo julgamento, ao pagar uma fiança de mais de 32 000 dólares.

LEIA TAMBÉM:

Esposa de Clooney foi ameaçada de prisão no Egito

Egito nega ter ameaçado prender esposa de George Clooney

Amal Clooney rejeita convite para investigar crimes de guerra em Gaza

Ao proferir seu veredicto, o juiz Hassan Farid afirmou que os três homens “não eram jornalistas”, porque não estavam registrados como tal junto as autoridades competentes. A justiça egípcia considera que eles apoiaram em sua cobertura jornalística a Irmandade Muçulmana, do ex-presidente Mohamed Mursi, destituído e preso em julho de 2013 pelo ex-chefe do Exército e atual presidente, Abdel Fattah al-Sissi.

Os jornalistas da antena de língua inglesa da Al-Jazeera podem recorrer junto ao Tribunal de Cassação, que já anulou uma sentença do caso e pode confirmar ou anular novamente a decisão. Se anular, ele próprio deverá examinar o processo. O processo é cheio de indas e vindas. A leitura do veredicto já havia sido adiada em duas ocasiões. Greste foi julgado in absentia, depois de ter sido expulso para a Austrália em fevereiro sob um decreto presidencial.

Fahmy e Mohamed foram presos no tribunal após o anúncio do veredicto, apesar dos apelos da comunidade internacional para que o caso seja encerrado. A esposa de Fahmy, em lágrimas, estava presente no tribunal ao lado de Amal Clooney. A advogada indicou aos jornalistas que irá encontrar as autoridades do governo para pedir o perdão presidencial e a expulsão de seu cliente.

A presença de Amal Clooney na sessão acontece sete meses após a controvérsia suscitada por declarações da advogada ao jornal britânico The Guardian, quando revelou que as autoridades do Cairo ameaçaram prendê-la se publicasse um relatório sobre o sistema judiciário do Egito. O governo egípcio respondeu assegurando que a advogada poderia viajar ao Egito quando quisesse e ressaltou que não havia “nenhuma medida” que impedisse a sua entrada ao país.

(Com agência EFE)