Advogados abandonam defesa de terrorista que atacou Paris

"Não podemos continuar defendendo a palavra de um homem que está em silêncio", afirmou um dos advogados

Os advogados de Salah Abdeslam, o único terrorista vivo dos atentados de Paris, no dia 13 de novembro do ano passado, abandonaram nesta quarta-feira sua defesa devido ao silêncio que mantém seu cliente. O belga Sven Mary e o francês Frank Berton afirmaram ao semanário Le Nouvel Observateur que Abdeslam “não colabora mais” e se mostraram convencidos que manterá sua decisão de permanecer em silêncio.

“Não podemos continuar defendendo a palavra de um homem que está em silêncio”, afirmou Mary, advogado que cuida da causa desde a prisão de Abdeslam, em Bruxelas (Bélgica), em março, quatro meses após os atentados que deixaram 130 mortos na capital francesa. Os dois advogados avisaram da decisão para Abdeslam que entendeu que “os caminhos deviam se separar” e que escreveu ao juiz de instrução anunciando que não quer outros advogados.

Leia também
Paris abre primeira sala de consumo de drogas na França
Polícia encontra carro com botijões de gás perto da Notre Dame
EI planejava atacar outros alvos em Paris em 13 de novembro

“A prisão está transformando Salah Abdeslam em um animal selvagem. Sua janela está obstruída por um plástico, não entra ar. Ele vê sua família por trás de um vidro, não tem contato físico com ninguém. É degradante. Em 25 anos de carreira nunca vi isso”, disse o advogado francês.

Acrescentou que Salah Abdeslam foi transformado em um símbolo da luta antiterrorista, que não serve para fazer avançar a busca da verdade. Berton afirmou que “a lei autorizando a vigilância por câmera, incluindo a de infravermelho, não era necessária” e disse que “se ele quiser cometer suicídio, o fará”. Esse tratamento, que Mary qualificou de “tortura psicológica”, está levando, segundo os advogados, o preso a se radicalizar em sua postura e a “se fechar em seu silêncio” e na “proteção de Deus”.

(Com agência EFE)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    E realmente degradante com uma pessoa tão humana e sensível. Por isto que o Estado Islâmico é um exemplo de civilidade e sensibilidade com seus prisioneiros.

    Curtir

  2. Jorge Luís dos Santos

    O bom senso é maior que qualquer lei! O terrorista usa as leis a seu favor posando de vítima… dos vitimados. As evidências são maiores que as virtuais defesas. O monstro quer ser tratado com decência e, para se defender, condições adequadas para exigir sua defesa. Tenha a santa paciência, senhores indiferentes humanistas legalistas!… Jorge

    Curtir