Eleição na Câmara: o momento da traição

A palavra de ordem na disputa pela presidência da Câmara é: traição. Eduardo Cunha espera "docemente constrangido" os votos da oposição. Já o PT pressiona a base aliada e o próprio PMDB para que traiam Cunha e corram para o lado de Arlindo Chinaglia. Julio Delgado, do PSB, que hoje pode ser traído por parte do PSDB, sonha em chegar ao segundo turno e ser beneficiado pela traição ou do PT ou do PMDB. Entenda o jogo com Joice Hasselmann, direto de Brasília.

Por VEJA.com - Atualizado em