Os livros mais vendidos / Trechos de livros

Trecho de O que Realmente Importa?, de Anderson Cavalcante

 

Com que olhar você pode ler este livro?

Todos nós temos um jeito particular de enxergar o mundo. Nossas crenças e experiências influenciam nossa percepção, toda vez que olhamos para algo ou alguém. Por isso, é muito comum pessoas diferentes terem interpretações completamente diversas sobre a mesma imagem ou situação.

Outro dia fiz uma descoberta interessante enquanto lia sobre a vida de São Boaventura, um bispo do século XII que, após ter sido curado por São Francisco de Assis, a quem admiro muito, ingressou na ordem franciscana e passou a se dedicar a fazer o bem. São Boaventura formulou pensamentos extraordinários sobre a natureza humana. Um deles nunca foi tão atual.

Para ele, existem três formas de olhar o mundo, três olhares diferentes que definem o alcance de nossa percepção. O primeiro olhar é o olhar da carne, um olho físico, estrutural, capaz de enxergar a matéria pura e simplesmente. É um olhar igual para todo mundo, mas limitado, pois enxerga apenas o aparente: é o "ver por ver".

O segundo olhar é o olhar da razão, mais refinado do que o olho da carne, pois permite que, ao olharmos para alguém ou algo, sejamos capazes de analisar racionalmente essa visão, pensar sobre ela. Esse é o olho da ciência, para o qual tudo precisa ser provado: é o "ver para crer".

E há o terceiro olhar, que é o olhar da contemplação. Esse é um olhar todo especial, o olhar que, segundo São Boaventura, está em comunhão com a grandeza da natureza: é o "ver além". Quando olho para alguém ou algo com esse olhar, não estou me detendo apenas no que é nem em como funciona. Quando olho com esse olhar, estou sentindo.

Minha percepção me traz uma clareza maior e sentimentos que me tocam de forma profunda, porque não vejo apenas, entro em comunhão com aquilo e sinto também. Quando olho para você com esse olhar, você é muito mais do que eu posso perceber, enxergar ou entender; você é o que eu posso sentir.

Pensando sobre isso, lembrei-me de uma conversa que tive com o padre Fábio de Melo. Ele me falava de outro conceito que tem tudo a ver com essa ideia do olhar da contemplação. Falávamos de misericórdia, e ele me explicava que esse é um conceito teológico que tem um significado extremamente profundo. Misericórdia significa "coração em que ainda cabe outro". Um coração que ainda não está cheio e, portanto, comporta a possibilidade de sentir pelo outro.

Reflita um pouco e perceba que a misericórdia acontece no seu interior toda vez que você é capaz de "ser o outro", de se envolver no que o outro está sentindo ou pensando, sem preconceitos ou julgamentos prévios. O exercício da misericórdia, portanto, está ao alcance de todos nós, basta que se tenha a disposição de "ver além", de estar de coração aberto para receber o outro dentro da gente, com suas alegrias e dores, acertos e erros. Mas só contempla aquele que saiu de si, que permitiu que a realidade diante de seus olhos lhe invadisse a alma.

Certas coisas vemos melhor com os olhos fechados. Aqui vai meu pedido. Espero que no decorrer desta leitura você use o olhar da contemplação. Deixe de lado seus pressupostos e preconceitos. Mergulhe na leitura desarmado e com o coração aberto, para que, mais do que ler para entender, possa ler para sentir. Tenho certeza de que, assim, minhas palavras farão um sentido muito maior para você e para sua vida, pois verá este livro com o olhar de quem deseja — e pode — ver além.

Anderson Cavalcante
Outono de 2009

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados