LIVROS   

Trecho de Jesus, o Maior Psicólogo que Já Existiu, de Mark W. Baker        

Ele disse: "Eu sou"   E se na sua época Jesus não soubesse quem era? Ou quais eram os seus dons? E se ele só tivesse tomado consciência disso gradual- mente, como acontece a cada um de nós? Ou talvez ele soubesse desde criança que tinha uma vocação especial e ficou esperando o momento em que seus poderes viriam à tona. De qualquer modo, acredito que Jesus tinha de ir para o deserto para saber quem ele era. A experiência no deserto tanto fazia parte da sua formação e destino quanto faz parte da sua e da minha.

Certa vez participei de uma reunião de incorporadores do setor imobiliário para discutir um possível empreendimento comum. Cada incorporador tinha vasta experiência na tarefa que se propunha a realizar, mas, para surpresa do grupo, o empresário que estava à frente do negócio ficou de pé e começou a descrever em detalhes um de seus maiores fracassos profissionais. Ele contou como sua avidez por ganhar dinheiro para os investidores tinha feito com que não prestasse atenção em alguns detalhes importantes sobre tendências da opinião pública. Ele disse: "Sou muito mais cuidadoso agora em reunir todos os dados antes de agir baseado em minhas idéias."

Outro incorporador admitiu, com o rosto levemente ruborizado, que também não fora um gênio em determinada ocasião. Na verdade, ele havia comprado um grande lote de terra para erguer um prédio sem saber que o terreno era rocha sólida.

O membro mais jovem do grupo ficou relutante quando chegou sua vez de compartilhar seu erro. Ele gaguejou um pouco ao falar: "Bem, todo mundo sabe que tive muitos êxitos." O líder gentilmente o censurou: "Vamos, Charlie. Coloque sua pedra na mesa. Se você nunca falhou, não pode fazer parte deste grupo."

O que o líder estava querendo dizer era: "Se você nunca foi testado pelo fogo, não sabe quem é. E, se não sabe quem é, não pode ser um líder."

No deserto, Jesus teve de fazer escolhas bem claras em relação a seus dons especiais. Quando ele estava com fome, o demônio disse: "Se você é o filho de Deus, mande que estas pedras virem pão." Mas Jesus não sucumbiu à tentação.

O diabo, então, insistiu para que ele se jogasse do alto do templo e testasse seu poder de voltar à vida eterna. Jesus olhou Satanás no rosto e respondeu "Não". Por fim, o demônio lhe mostrou todos os reinos do mundo e disse: "Eu lhe darei tudo isso se você se ajoelhar e me adorar." Jesus ordenou, então, que Satanás fosse embora.

E finalmente, depois de quarenta dias de provação no deserto (Mateus 4:1-11), surgiu uma pessoa que tinha muita certeza sobre quem era e para o que fora chamada. Jesus enfrentou e venceu a tentação de usar seus dons de forma egoísta.

Não é coincidência que, somente depois da experiência do deserto, Jesus começasse a usar as palavras "Eu sou" ao se descrever (João 4:25-26, 8:23, 15:5; Lucas 22:27; Mateus 11:29). No Velho Testamento, quando os judeus pediram a Deus uma descrição de Si Mesmo, a única resposta que receberam foi "Eu sou o que sou" (Êxodo 3:14-15). A simplicidade de sua frase enfatizou Seu poder para eles. As palavras "Eu sou" refletem, portanto, todo o poder criador do Universo.

PERGUNTA

Que "experiência no deserto" ajudou você a enxergar seus dons mais nitidamente?

TAREFAS

Liste com detalhes cada um dos seus "Eu sou".

Forneça três descrições positivas e fortes a seu respeito.

  Ele se tornou aquilo que dizia ser

  Jesus não olhou para trás, para os fatos de sua vida, e disse: "Humm... Eu devo ser o filho de Deus." Ele declarou ser o filho de Deus (João 10:36), e a prova se seguiu.

Ele visualizava regularmente o sucesso de seus esforços. "A ordem que eu dou não volta sem ter feito o que eu quero. Ela cumpre tudo o que eu mando" (Isaías 55:11).

Provavelmente muitas pessoas descreveriam Jesus como um dos seres mais humildes que já passaram pela Terra. Mas, se considerarmos o que ele disse sobre si mesmo na Bíblia, veremos que tudo o que falou a seu próprio respeito era positivo.

Jesus dizia que Deus sempre o ouvia (João 11:42) e que ele sabia o que agradava ao Senhor. "Eu conheço Deus porque venho Dele e fui mandado por Ele" (João 7:29). Isso era vaidade? Ou era criatividade iluminada e autoconhecimento? Se você ler o Velho Testamento, descobrirá que alguns de seus mais belos versos foram recitados depois por Jesus sobre si mesmo.

Há um provérbio que diz: "As pragas de um homem cairão e se enredarão em torno dele como um manto." Que imagem forte! E se todas as palavras que disséssemos caíssem e se enrolassem em torno de nós como uma veste? Que tipo de guarda-roupa teríamos?

As palavras têm força. E Jesus sempre pronunciou palavras amorosas, poderosas e confiantes ao se referir a si próprio.

As pessoas que vencem falam bem de si para elas mesmas. Em nenhum lugar do Evangelho Jesus se deprecia. O filho de Deus era pleno de autoconhecimento e de amor-próprio.

PERGUNTAS

Quem você diz que é, para você mesmo, no dia-a-dia?

Se cada palavra que você dissesse sobre si próprio caísse e se enrolasse em torno de seu corpo como uma veste, como seria o seu "guarda-roupa" verbal?


Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados