Henrique Pizzolato

Perfil

NOME Henrique Pizzolato

IDADE

PROFISSÃO/CARGO Ex-diretor de marketing do Banco do Brasil

PARTIDO PT

Escândalos
Confira em que escândalos esse personagem se envolveu – e sua participação em cada um
  • Escândalo do Mensalão
    • Envolvimento

      O ex-diretor de marketing do Banco do Brasil autorizou o adiantamento de 74 milhões de reais à DNA Propaganda, de Marcos Valério, por serviços publicitários prestados à Visanet (da qual o BB é sócio), em 2003. Na prática, desviou dinheiro público para as contas de Valério. Disse ter sido autorizado por Luiz Gushiken e Cássio Casseb.

      O que aconteceu

      Aposentou-se pelo Banco do Brasil em julho de 2005, com salário de 13.000 reais mensais. Mora em um apartamento na Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, comprado um mês depois de receber 336.000 reais de Valério. O imóvel custou 400.000 reais. Foi condenado a 12 anos e 7 meses de prisão pelo Supremo Tribunal Federal pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato. Também foi condenado ao pagamento de multa no valor de 1,31 milhão de reais. Teve a prisão decretada pelo STF em 15 de novembro de 2013, mas, no dia seguinte, seu advogado informou à Polícia Federal que o ex-diretor do BB, aproveitando-se da cidadania italiana, fugira para Itália há 45 dias. No país europeu Pizzolato tentava um novo julgamento. Registrou ele, em nota: "Por não vislumbrar a mínima chance de ter um julgamento afastado de motivações político eleitorais, com nítido caráter de exceção, decidi consciente e voluntariamente fazer valer meu legítimo direito de liberdade para ter um novo julgamento, na Itália, em um tribunal que não se submete às imposições da mídia empresarial". Foi capturado pela polícia italiana, em operação conjunta com a Polícia Federal, após quatro meses de fuga, em 5 de fevereiro de 2014. Foi preso na cidade de Maranello, no norte da Itália, onde vive um familiar. Pizzolato falsificou carteira de identidade, CPF, título de eleitor e dois passaportes – um brasileiro e outro italiano. Os documentos foram forjados em nome de Celso Pizzolato, irmão do fugitivo e morto há 35 anos. O passaporte italiano falso permitiu a fuga do criminoso de Buenos Aires, na Argentina, para Barcelona, na Espanha.

      Entenda o escândalo

      Atualizado em 05/02/2014

Ligações
A cada escândalo, uma rede de contatos
Untitled Document
Edição: Carolina Farina e Daniel Jelin     Reportagem: William Magalhães     Design: Sidclei Sobral     Programação: Caroline Rozendo e Lucas Dantas
Compartilhar
 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados