BUSCA

Busca avançada      
FALE CONOSCO
Escreva para VEJA
Para anunciar
Abril SAC
ACESSO LIVRE
Conheça as seções e áreas de VEJA.com
com acesso liberado
SEÇÕES ON-LINE

Perguntas & Respostas

 
Dezembro de 2007
Efeitos das grandes altitudes

Quem desembarca numa cidade de altitude elevada costuma sentir logo de cara o impacto do ar rarefeito em nosso organismo. Em alguns casos, os efeitos são perigosos – o ministro da Justiça, Tarso Genro, desmaiou em uma solenidade realizada em La Paz, na Bolívia. O brasileiro passou mal justamente durante um discurso do presidente boliviano Evo Morales – o líder populista que faz campanha contra a Fifa para evitar um veto ao futebol nas cidades mais altas do planeta. Afinal, a altitude é um perigo?

1. Qual é a diferença entre as condições encontradas nessas cidades?
2. O que acontece quando alguém sai do nível do mar e sobe demais?
3. Todas as pessoas sentem os sintomas negativos da altitude maior?
4. O que é possível fazer para amenizar (ou eliminar) esses sintomas?
5. Que tipo de substância é possível ingerir para evitar os problemas?
6. Quais são as cidades onde os sintomas podem ser mais sentidos?
7. Existe risco de vida para uma pessoa que viaja às altitudes maiores?
8. Quem mora na altitude elevada pode passar mal ao descer ao mar?
9. A altitude pode ser um elemento decisivo em uma disputa esportiva?
10. Por que a Fifa fala em proibir partidas oficiais de futebol nas alturas?

1. Qual é a diferença entre as condições encontradas nessas cidades?

Quanto maior é a altitude, menor é a pressão atmosférica e mais rarefeito é o ar que respiramos. Também há uma redução na temperatura, que cai em média 6,5 graus a cada 1.000 metros de altura. Por fim, há um aumento na intensidade dos raios solares (que, aliás, podem provocar graves queimaduras). Com o ar rarefeito, somado ao incômodo provocado pelas condições climáticas mais duras, o funcionamento do organismo muda, e podem ocorrer efeitos desconfortáveis.

 
topo

2. O que acontece quando alguém sai do nível do mar e sobe demais?

Quem vive em cidades ao nível do mar ou em localidades relativamente baixas não está acostumado às condições atmosféricas das grandes altitudes – portanto, o organismo sente o impacto da mudança e precisa de tempo para se adaptar. O corpo responde da seguinte maneira: a freqüência respiratória aumenta, a freqüência cardíaca se acelera e a concentração de glóbulos vermelhos, que transportam o oxigênio para os músculos, aumenta no sangue. Nesse período de adaptação, os sintomas mais comuns são respiração curta, dores de cabeça, náusea, vômitos, tontura, insônia (em dois terços dos casos) e perda de apetite (em um terço das pessoas).

 
topo

3. Todas as pessoas sentem os sintomas negativos da altitude maior?

Não. É impossível prever se alguém sofrerá com os sintomas ou terá uma adaptação tranqüila. Calcula-se que os sintomas negativos sejam sentidos por cerca de 15% das pessoas a 2.000 metros de altura. O índice sobe para 60% quando se chega a 4.000 metros. A mais de 5.000, todas as pessoas sentem algum tipo de efeito negativo. Qualquer pessoa está sujeita ao problema – fatores como idade ou sexo não são determinantes. A característica que mais pesa na definição de quem sofre ou não com os efeitos da altitude é a condição física. Geralmente, quem está bem condicionado lida melhor com a situação. O bom preparo e o fôlego em dia, porém, não garantem totalmente que uma pessoa ficará livre dos sintomas.

 
topo

4. O que é possível fazer para amenizar (ou eliminar) esses sintomas?

O melhor é subir aos poucos, ou seja, viajar a alturas sucessivamente maiores e dar tempo suficiente para a adaptação. Quanto mais rápida é a chegada e mais alto é o destino, piores são os sintomas. Assim, uma pessoa que vive ao nível do mar e resolve visitar La Paz, a mais de 3.600 metros, pode evitar problemas gastando alguns dias numa altura intermediária, a pouco mais de 2.000 metros. Quem não tem tempo para fazer a adaptação deve tentar chegar ao destino com uma boa condição física – recomenda-se caminhar ou correr nas semanas que antecedem a viagem.

 
topo

5. Que tipo de substância é possível ingerir para evitar os problemas?

Alguns médicos prescrevem medicamentos para combater os efeitos da altitude. O Diamox (acetazolamida), que ajuda a metabolizar mais oxigênio, é um deles – o consumo deve começar 24 horas antes da chegada ao destino, duas ou três vezes ao dia. Outras opções são a dexametasona, um esteróide, e o gingko biloba, um fitoterápico. O uso dos remédios, contudo, é polêmica. Muitos médicos não gostam de receitar essas substâncias contra a altitude. Soluções mais seguras são a aspirina, a cafeína e, nos países andinos, o chá de coca – todos são capazes de amenizar os efeitos da altitude.

 
topo

6. Quais são as cidades onde os sintomas podem ser mais sentidos?

Todas as que são localizadas em grandes cadeias de montanhas ou em altiplanos. Há localidades muito altas na Europa, América do Norte e Ásia, em especial Nepal e Tibete. No continente sul-americano, as mais altas cidades estão na Bolívia, no Peru, no Equador e na Colômbia. O país de Evo Morales tem, além de La Paz, as cidades de Oruro, El Alto e Potosí – essa última é conhecida como a cidade mais alta do planeta, a mais de 4.100 metros. A peruana Cusco (3.400 metros), a equatoriana Quito (2.800 metros) e a colombiana Bogotá (2.650 metros) são outras cidades muito altas nos países vizinhos.

 
topo

7. Existe risco de vida para uma pessoa que viaja às altitudes maiores?

Sim. Nos casos de sintomas mais graves, pode surgir até um edema pulmonar (fluidos nos pulmões) ou edema cerebral (inchaço do cérebro). Se o visitante de uma cidade muito alta não cometeu excessos (na alimentação, no consumo de bebidas alcoólicas e no excesso de atividade física) mas ainda assim sofreu sintomas fortes demais, recomenda-se procurar um médico. Os sintomas devem ser levados a sério: se não desaparecerem com o tempo, precisam ser examinados.

 
topo

8. Quem mora na altitude elevada pode passar mal ao descer ao mar?

Algumas pessoas nessa situação reclamam de algum desconforto, de perda de apetite e de dores de cabeça por causa da diferença nas condições climáticas. No geral, porém, os moradores de cidades muito altas não enfrentam dificuldades na descida. No caso dos atletas, isso é até usado em favor de um melhor desempenho. Quem treina na altitude rende mais ao nível do mar. Como o ar rarefeito ensina o organismo a absorver e a processar melhor o oxigênio, o rendimento melhora.

 
topo

9. A altitude pode ser um elemento decisivo em uma disputa esportiva?

Os estudos dos efeitos da altitude sobre a performance física começaram a ser realizados depois dos Jogos Olímpicos de 1968. A competição realizada na Cidade do México, a 2.400 metros, registrou nas corridas de média e longa distância o triunfo de atletas de países montanhosos, como Tunísia, Etiópia e Quênia, enquanto australianos e americanos, os favoritos, mal conseguiam alcançar a linha de chegada. Pesquisas confirmaram que o treinamento em altitude elevada produzia um ganho de desempenho em provas de resistência, e alguns países, como os Estados Unidos, começaram a levar seus atletas para se condicionar em cidades montanhosas.

 
topo
 
 

10. Por que a Fifa fala em proibir partidas oficiais de futebol nas alturas?

Porque o calendário da modalidade não permite que os times e seleções tenham tempo suficiente para a adaptação à altitude. As equipes das outras regiões reclamam do deseqüilíbrio provocado por esse fator nas disputas. O Equador, por exemplo, foi às duas últimas Copas do Mundo graças aos bons resultados obtidos em Quito. Na Copa Libertadores da América, diversos clubes brasileiros sofreram nos duelos com equipes muito inferiores tecnicamente. A forte reação dos países andinos, que incluiu até a promessa de boicote às competições internacionais, adiou a aplicação do veto aos jogos na altitude, decidido no início do ano. Mas em dezembro, o Comitê Executivo da Fifa declarou que os jogos não podem ser disputados acima dos 2.750 metros, a não ser que os times tenham o prazo necessário para a aclimatação.

 
topo
OUTROS TEMAS
  VEJA | Veja São Paulo | Veja Rio | Expediente | Fale conosco | Anuncie | Newsletter |