A vida de Getúlio
Imagens da Era Vargas
 
Reportagens sobre Getúlio Vargas publicadas nos últimos anos


Vitória na Derrota
Quem Matou Vargas
  Getúlio Vargas durante a infância 1882
Filho de Manuel do Nascimento Vargas e de Cândida Dornelles Vargas, Getúlio Dornelles Vargas nasce em São Borja, no Rio Grande do Sul, no dia 19 de abril de 1882.
 
  1885
Vargas faz os estudos primários na sua cidade natal, até que em 1897, segue para a Escola de Ouro Preto (MG), onde já se encontravam seus irmãos mais velhos, matriculando-se no curso de humanidades.
 

  1898
De volta a São Borja, Vargas decide seguir carreira militar aos 15 anos. Foi promovido a sargento em 1899.
 
  1903
Em dezembro de 1903, após dar baixa do Exército, Getúlio ingressa na Faculdade de Direito de Porto Alegre. Na faculdade, integra-se à mocidade estudantil republicana.
 

  1909
Ingressa na política como deputado estadual pelo Partido Republicano Rio-Grandense (PRR). É reeleito em 1917 e 1921 para a Assembléia Estadual.
 
  1911
Casa-se com Darci Lima Sarmanho. Dessa união nasceriam os filhos Lutero, Jandira, Alzira, Manuel Antônio e Getúlio.
 

  1922
Cumpre mandato de deputado federal.
 

  1926
Em 15 de novembro, Washington Luís assume a presidência, empossando Vargas no Ministério da Fazenda, onde fica apenas por um ano.
 
  1928
Vargas assume a presidência do Rio Grande do Sul. Durante mandato, ele busca acordo com a oposição, conseguindo pôr fim a quase 30 anos de violentas lutas interpartidárias no Estado.
 

  1929
Torna-se candidato às eleições presidenciais de 1930 pela Aliança Liberal, que nasceu do acordo entre o Rio Grande do Sul e Minas Gerais, marcando o rompimento dos dois estados com o governo federal.
 
  A caminho do Palácio do Catete, na revolução de 30 1930
Vargas concorre à presidência da República, ao lado de João Pessoa, mas é derrotado pela chapa situacionista apoiada pelo então presidente Washington Luís. Logo depois, Pessoa é assassinado em um crime passional. Os "aliancistas" atribuem motivos políticos ao crime e deflagram uma rebelião político-militar contra a Velha República.
Em 10 de outubro, unidades do exército se rebelam em todo o país e impedem a posse de Júlio Prestes. Como líder revolucionário, Vargas assume o poder do governo provisório.
O novo presidente cria o Ministério do Trabalho.
 
  1932
Com dificuldades de acomodar no governo os setores oligárquicos e do tenentismo, Vargas demora para convocar uma nova Constituição e enfrenta várias revoltas, como a Revolução Constitucionalista de 1932, quando São Paulo levanta-se em armas contra o governo provisório.
 
  Posse na presidência em 1934 1934
A vitória militar sobre a Revolução de 1932 garante a Vargas uma ampla margem de poder e influência para criar uma nova Constituição. Com isso, é eleito presidente indiretamente pelo Congresso Nacional.
 
  1935
Em julho, Luís Carlos Prestes, então líder da Aliança Nacional Libertadora (ALN), lança manifesto a favor da renúncia de Vargas. Em represália, governo decreta ilegalidade do movimento. Em novembro, estoura uma insurreição político-militar, conhecida Intentona Comunista.
Vargas declara estado de sítio e dá ordem para a repressão e prisões de simpatizantes e integrantes da ALN.
 
  1937
Sob estado de guerra, com a cassação dos direitos constitucionais e forte repressão policial, Vargas instaura o Estado Novo. Com a justificativa de defender a nação do "perigo vermelho", suspende as eleições, cassa os partidos políticos e nomeia interventores para os estados. Surgia a figura do Getúlio ditador, cuja imagem seria a de"Pai dos Pobres".
Criada a Constituição de 1937, conhecida como a "Polaca", pela clara inspiração nas constituições de regimes fascistas europeus, como Polônia e Itália.
 
  1939
Um ano depois de criar o Departamento Administrativo do Serviço Público, Vargas cria o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) com o objetivo de vigiar os meios de comunicação.
Cria a Justiça do Trabalho.
 
  A figura do Getúlio ditador: o "pai dos pobres" 1941
Getúlio Vargas inicia o projeto de controle estatal do Petróleo e combustíveis e o da estimulação da indústria de base no país. Neste ano, funda a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).
 
  Getúlio visita o Senai, em 1942 1942
Com o objetivo de promover mão-de-obra especializada, Vargas cria o Serviço Nacional da Indústria (Senai) e o Serviço Social da Indústria (Sesi). Inaugura também a Companhia do Vale do Rio Doce.
 

  2ª guerra mundial - Sob a pressão dos EUA, rompe relações com os países do Eixo – Alemanha, Itália e Japão.  
  1943
A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) entra em vigor. Em seu governo, Getúlio transformou por completo as leis trabalhistas: criou sindicatos de patrões e empregados, o salário mínimo e o primeiro sistema oficial de Previdência.
 

  1944
Institui e envia a Força Expedicionária Brasileira para lutar na 2ª Guerra Mundial ao lado dos aliados.
 
  O exílio em São Borja 1945
Com o fim da guerra, tornou-se impossível sustentar a contradição de, por um lado, ter mandado soldados para lutar contra os nazi-fascistas e, de outro, manter uma ditadura. Getúlio, então, anuncia eleições para o fim do ano. Surgem pressões de setores do trabalhismo para que o próprio Getúlio dispute o pleito. A oposição, desconfiada, movimenta-se com a cúpula militar e articula o golpe de 29 de outubro de 1945. Os ministros militares destituem Getúlio Vargas.
Vargas segue para o exílio em São Borja.
 
  Getúlio em campanha eleitoral 1946
Com a redemocratização do país e a elaboração de uma nova Constituição, Getúlio ajuda na criação do Partido Social Democrático (PSD) e Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). É eleito senador pelo RS.
 
  De volta à presidência 1950
Usando um discurso nacionalista e populista, volta à Presidência em 1950, eleito pelo PTB, assumindo a presidência no ano seguinte.
 
  Salário mínimo: aumento de 100% 1953
Implantando sua política nacionalista, Getúlio criou o monopólio do petróleo, com a criação da Petrobras, e da eletricidade e chegou a dar 100% de aumento para o salário dos trabalhadores.
 

  Os novos rumos de Getúlio já incomodavam militares e conservadores da UDN.  
  Getúlio se suicida em 1954 1954
No dia 5 de agosto, um atentado atinge o jornalista Carlos Lacerda, um dos grandes adversários de Getúlio, e mata o major Rubens Vaz. O chefe da guarda pessoal do presidente, Gregório Fortunato, é acusado do crime. As Forças Armadas começam a exigir sua renúncia.
No dia 24 de agosto, Getúlio Vargas se suicida com um tiro no peito em seu quarto no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro. Deixa uma carta testamento, cujo último parágrafo dizia: "Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na história".
 

A trajetória política: do início em São Borja ao suicídio em 1954